Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A Clínica da Gagueira

O objetivo desse texto é propor uma reflexão sobre a clínica fonoaudiológica, em específico, sobre a clínica da gagueira. Entende-se por clínica uma estrutura composta por quatro elementos homogêneos e covariantes – semiologia, etiologia, diagnóstica e terapêutica .(Freire, 2011)

Observa-se que a Fonoaudiologia, em um primeiro momento e em sua articulação com a medicina, olha para a gagueira como resultado de uma dificuldade ou incapacidade dos sistemas neurais em manter a fala fluente (Arcuri et al., 2009) ou seja, sob o ponto de vista orgânico. (Damasceno e Friedman, 2011). O diagnóstico proposto por esta clínica sustenta-se na gravação da fala que é comprada a uma amostra com o perfil dos tipos de disfluência, velocidade de fala, frequência de rupturas, entre outros aspectos audíveis/visíveis (Andrade, 2000) que sustentam padrões de patogenia ou normalidade. A terapêutica visa treinar o paciente a monitorar sua fala, a fim de modelá-la a um padrão considerado normal.

Observa-se que esse entendimento não constitui verdadeiramente uma clínica, pois os elementos que deveriam constituí-la – semiologia, etiologia, diagnóstica e terapêutica - não são interdependentes. Por exemplo, a terapêutica, na impossibilidade de intervir nos supostos fatores etiológicos, é composta de técnicas prescritivas.

Em um segundo momento, a Fonoaudiologia toma a gagueira como um sintoma de linguagem e mantém a coesão e covariância entre os quatro elementos que fundam a clínica. Para isso, o entendimento sobre gagueira centra-se no sujeito falante e na compreensão dos efeitos da interpretação do outro, que concorrem para moldar a subjetividade do falante (Friedman, 2010; Freire e Pascalicchio Passos, 2012).

Freire e Pascalicchio Passos (2012) supõem que a gagueira emerge na terceira posição do processo de aquisição de linguagem, quando se observa na fala das crianças a presença de pausas, reformulações e autocorreções. Nesta posição, o discurso da criança, por seus efeitos de semelhança, pode ser interpretado pelo adulto como gaguejante. Diante da negação de sentido, a criança depara-se com a falta de assemelhamento e pode ocupar a posição de sujeito gago. Por não continuar o diálogo, mas ressaltar a forma do discurso, o outro passa a ser visto como aquele que fiscaliza o dizer.

Nessa mesma direção, Friedman (2007) explicou a constituição da gagueira a partir de uma ideologia de bem falar que rejeita e estigmatiza a fala disfluente da criança. Nessa condição, explica, a criança fica numa situação paradoxal, na qual nem pode falar como falava, nem sabe como falar de outro modo, o que gera tensões em sua fala. O efeito disso na subjetividade, segundo Friedman (2007), é a antecipação, na fala, dos lugares em que a gagueira ocorrerá, na tentativa de contê-la. Desse modo, a autora indica que na gagueira, o falante prioriza a forma de sua fala em detrimento do sentido.

A esse respeito, Azevedo e Freire (2001) explicam que "na ordem discursiva há uma tensão natural entre língua (forma) e fala (sentido). Essa tensão é estruturante e determina todo o dizer, de tal modo que a linguagem é a articulação de língua e fala". Na posição fluente, dizem as autoras, há um privilégio do sentido (fala) em detrimento da forma (língua), já na posição gaguejante a tensão natural dá lugar a uma desarmonia, porque a atenção discursiva passa a estar na forma, o que se expressa pela certeza que o falante gago mostra de não conseguir falar sem gaguejar em certas palavras, certos fonemas, com certas pessoas. O privilégio da forma em detrimento do sentido, completam as autoras, leva o falante à perda da posição fluente.

Esse tipo de visão permite uma abordagem terapêutica que mantém homogeneidade e covariância entre os elementos da clínica, visto que, a partir das histórias e relatos do paciente, é possível conhecer os sentidos cristalizados sobre si, sobre a própria fala e sobre o outro e, a partir de diálogos e vivências de sensibilização da fala (Oliveira e Friedman, 2006), promover a desestabilização de tais significados, bem como a abertura de novos sentidos, de modo a proporcionar ao paciente a vivência de experiências novas e singulares que lhe permitam sair da posição de falante estigmatizado, para ocupar uma posição em que confia em sua possibilidade de falar e que mantém a tensão natural entre fala e língua.

Portanto, acredita-se que o desconhecimento sobre o funcionamento subjetivo-discursivo gaguejante faça com que parte da Fonoaudiologia restrinja o fazer terapêutico a estratégias que visam controlar o discurso do paciente e, consequentemente, mantenha a desarmonia entre fala e língua. Talvez seja esse um dos motivos para o falado insucesso terapêutico na clínica da gagueira.

Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno
Fonoaudiólogo Clínico
Mestre em Fonoaudiologia – PUC-SP

_______________________________
Andrade CRF. Protocolo para avaliação da fluência da fala. Pró-Fono Revista de atualização científica, 2000; 12(2):131-4.
Arcuri CF, Osborn E, Schiefer AM, Chiari BM. Taxa de elocução de fala segundo a gravidade da gagueira. Pró-Fono R. Atual. Cient. [serial online] Barueri, v.21, n.1, Mar.2009. Disponível na internet
Azevedo NP, Freire RM. Trajetórias do silenciamento e aprisionamento na língua: o sujeito, a gagueira e o outro. In: Friedman S; Cunha MC. Gagueira e Subjetividade. Porto Alegre: Artemed Editora, 2001.
Damasceno WAPL, FRIEDMAN S. Análise da produção científica fonoaudiológica nacional sobre gagueira. Rev. CEFAC [online]. 2011, vol.13, n.1 [citado 2012-07-23], pp. 41-47 Disponível na internet
Freire RM. A fundação da clínica fonoaudiológica. In: Gonçalves NP; Fonte RFL da (org). Aquisição de linguage, seus distúrbios e especificidade: diferentes perspectivas. Curitiba: CRV, 2011, p. 87-96.
Freire RM, Pascalicchio Passos MC. Gagueira: uma questão discursiva. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(51.1): 9-35, janeiro./junh 2012.
Friedman S. Fluência de fala: um acontecimento complexo. In: Fernandes FDM; Mendes BCA; Navas ALPGP (orgs). Tratado de Fonoaudiologia. 2ª Ed. São Paulo: Roca, 2010. p. 443-8.
________. Gagueira: uma visão dialético-histórica. In: Rocha EMN (org.). Gagueira: um distúrbio de fluência. São Paulo: Ed Santos, 2007, p.189-201.
Oliveira PS, Friedman S. A clínica da gagueira: diferentes paradigmas e suas consequências. In: David RHF, Barbosa PS. Cadernos da Fonoaudiálogo. São Paulo: editora Lovise, 2006. p. 7-13.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais