A Fundação São Paulo
Mantidas
Endereço:
Fundação São Paulo
Edifício Franco Montoro
Rua João Ramalho, 182
Perdizes - CEP: 05008-000
São Paulo - SP
(11) 3670-3333
fundacaosaopaulo@pucsp.br
Design: PUC-SP - DTI - Núcleo de Mídias Digitais

Um olhar feminino sobre a PUCSP

Constituída por meio da união entre a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento, a Faculdade Paulista de Direito e outras quatro instituições da Igreja Católica e tendo recebido o título de Pontifícia pelo Papa Pio XII, a PUC-SP, desde o primeiro momento, revelou sua essência humanista, acreditando no poder transformador da assistência social, que trabalha necessariamente em conjunto com a educação.

Entre outros elementos, tomou como símbolo em seu escudo as quarto flores-de-lis,  que remetem à pureza, soberania e felicidade, condições necessárias à produção do conhecimento. Na heráldica religiosa, as flores, associadas à ideia do manto são uma explícita homenagem à Virgem Maria; aquela que foi escolhida para ser sua Padroeira.

A vocação da PUC-SP em propiciar o saber, a formação de cidadãos zelosos de sua liberdade de expressão, com forte capacidade questionadora, sob a influência da benevolência cristã, está presente ainda hoje. Essa gama de valores está intimamente associada ao reconhecimento social e acadêmico da Universidade, consolidando-a ao longo do tempo no cenário nacional, como referência propulsora desses predicados.  

A PUC-SP nunca se deixou acomodar em zona de conforto. Ciente dos seus deveres como formadora de uma renomada comunidade científica e de seu papel acadêmico como uma Universidade que valoriza a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão, criou, em 1969, o primeiro curso organizado de pós-graduação do país e, ainda na década de 70, integrou a sua estrutura a Escola de Serviço Social e o Ciclo Básico de Ciências Humanas. 

Em 1976 a Universidade, mais uma vez, colocou-se à frente do seu tempo ao reconhecer o talento de Nadir Gouvêa Kfouri, na condução da Escola de Serviço Social e, posteriormente, na Diretoria do Centro de Ciências Humanas.

Foi sob o convite do então Grão-Chanceler Dom Paulo Evaristo Arns, que Nadir Kfouri tornou-se a primeira mulher no mundo a assumir o cargo de reitora em uma universidade católica. Naquela época foi preciso, para tanto, a intercedência do Arcebispo junto ao Papa Paulo VI, pois a nomeação de uma mulher para condução de uma Universidade era ainda era algo improvável. Com isso, a PUCSP começava então a abrir os olhos do mundo, para mostrar que capacidade não tem nada que ver com gênero! 

Nadir Kfouri teve uma trajetória institucional admirável e tornou-se um símbolo de firmeza, dignidade e luta pela democracia, quando durante a invasão militar ao campus da Universidade em 1977, deu as costas ao coronel Erasmo Dias, afirmando: “Não dou a mão a assassinos! ”.

Nesse período a PUCSP expandiu sua atuação em número de cursos de graduação e a pós-graduação e ampliou o incentivo à pesquisa, fomentando cursos de mestrado e doutorado.

Dona Nadir abriu o caminho para atuação feminina na PUC. Hoje a Universidade conta com mais da metade de seu corpo funcional (docentes e técnicos) formado por mulheres. Estudos ainda revelam que cerca de 50% dos alunos que ingressam em Instituições de Ensino superior são mulheres, e mais de 60% dos concluintes também são do sexo feminino o que mostra que a permanência feminina nos cursos de nível superior é ainda mais alta.

Além disso, mais de 60% dos grupos de pesquisa que hoje atuam na PUCSP, são liderados diretamente por mulheres, e uma grande gama deles aborda assuntos ligados às questões sociais femininas. Assédio, discriminação, intolerância e violência são tratados sem pudor e são discutidos pela combativa comunidade acadêmica, que reivindica um olhar mais atento das autoridades, mas também, e especialmente, uma postura mais atuante dentro da própria Instituição, no sentido de debelar as ações de violência contra as mulheres.

A PUCSP orgulha-se de abrigar em seu seio mulheres de fibra, aptas a produzir conhecimento científico, tal qual ao gênero masculino, propulsoras de significativas mudanças evolutivas na sociedade.

Acima de tudo, a PUCSP, fundamentada nos valores cristãos, alinha-se com as demandas da sociedade onde atua, fomentando mentes questionadoras – independentemente de raça, credo ou gênero; talentos que trabalham em prol da comunidade, e em parceria com ela.

Essa é a PUCSP que conhecemos, essa é a PUCSP que queremos!

Que aos 70 anos essa tão jovem senhora continue a inspirar mentes inquietas, na busca pelo conhecimento e por uma sociedade mais justa e de paz.

 

Parabéns PUCSP!

 


Ana Paula de Albuquerque Grillo
Procuradora da Fundação São Paulo
Consultora Jurídica Chefe