A Fundação São Paulo
Mantidas
Endereço:
Fundação São Paulo
Edifício Franco Montoro
Rua João Ramalho, 182
Perdizes - CEP: 05008-000
São Paulo - SP
(11) 3670-3333
fundacaosaopaulo@pucsp.br
Design: PUC-SP - DTI - Núcleo de Mídias Digitais

O QUE COMEMORAR NO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA?

Dia 20 de novembro é a data em que se celebra a morte de Zumbi, o último líder do Quilombo dos Palmares e herói não reconhecido pela historiografia de posicionamento branco. O Dia Nacional da Consciência Negra surgiu para lembrar o calvário enfrentado por negros e negras durante o período colonial e que acarretou consequências para a vida social brasileira, até a atualidade. O que os Movimentos Negros conquistaram, ao proporem essa data nacional, fora não somente homenagear Zumbi e todos aqueles que deram a vida em prol do ideal de uma sociedade justa e igualitária, mas também erguer uma bandeira de luta contra a exclusão social da população negra.

Embora a escolha desta data reflita o desejo de simbolizar e promover a democracia racial, festejando o fim da escravidão e a luta incansável da população negra, faz-se necessário reatualizar e reavivar o desejo de uma sociedade harmônica, isenta de atitudes de marginalização e desigualdades que continuam acompanhando aquela população durante toda sua vida. É justo que se implantem ações afirmativas por meio de estratégias que operem transformações efetivas em nossa sociedade.

Não basta, nesta data, uma mera conscientização, ou seja, ter conhecimento da violência que ainda se instala sobre negros e negras por meio de práticas preconceituosas e discursos racistas de exclusão. Temos que refletir e também agir, no sentido de exigirmos uma atitude cidadã e ética, que nos liberte e favoreça o respeito à diversidade étnico-racial.  Em um Brasil miscigenado, é preciso valorizar nossas raízes histórico-culturais e religiosas e proporcionar para que negros e negras as condições necessárias, para que vivam dignamente em meio às circunstâncias socioeconômicas impostas pelas políticas governamentais. No dia Nacional da Consciência Negra  devemos, ainda, avaliar nossa postura como cidadãos. Que reflexão e ação se constituam um posicionamento de resgate da luta dos negros, a fim de que se reconheça a diversidade humana e eliminem-se quaisquer atitudes de intolerância que, ainda, pesam sobre  os negros, inclusive hoje.

Comemorar o 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra é tomar consciência do processo de construção político-cultural do Brasil, é compreender o negro como ser humano, apreendendo-o para além da cor da pele, é, por fim, operar mudanças que reduzam as diferenças, culturais, sociais e econômicas.

 

Prof. Dr. Jarbas Vargas Nascimento
Pró-reitor de Cultura e Relações Comunitárias - PUC-SP