"Optativas da Universidade" 2º Semestre de 2020

"Optativas da Universidade" 2º Semestre de 2020

As “Optativas da Universidade” são disciplinas oferecidas por diferentes áreas de conhecimento da PUC-SP, tanto via cursos de graduação que têm previsão de disciplinas optativas nas suas grades, quanto em resposta ao edital que semestralmente é lançado pela Pró-Reitoria de Graduação, convidando os/as docentes da Universidade a apresentarem propostas.

O objetivo do projeto “Optativas da Universidade” é possibilitar ao (à) estudante maior flexibilidade e protagonismo em sua formação acadêmica, incentivando sua matrícula, com livre escolha, em disciplinas optativas ofertadas por variadas áreas de conhecimento.

Acesse aqui as orientações sobre a matrícula nas "Optativas da Universidade".

 

Disciplinas Online

Disciplina Professor(a) Créditos/ Carga Horária Ementas e Objetivos EMENTAS COMPLETAS
Análise Exploratória de Dados e suas Aplicações Cileda de Queiroz e Silva Coutinho 03/54 O objetivo desta disciplina é identificar elementos da Estatística aplicáveis nas diversas áreas do conhecimento e áreas profissionais presentes na sociedade. Objetiva-se ainda construir instrumentos para a coleta de dados, bem como aplicação, organização, tratamento e análise do conjunto de dados coletados, criando a discussão sobre seu impacto. Conteúdos: Construção e aplicação de um instrumento de coleta de dados: o questionário; organização de um banco de dados a partir de um questionário; Amostragem simples, distribuição de dados, tipos de variáveis estatísticas; Busca e utilização de banco de dados de outras fontes; Tratamento de banco de dados em tabelas e gráficos utilizando planilhas eletrônicas; Distribuição de Frequências e suas representações por gráficos e tabelas; Medidas de tendência central e de dispersão e sua interpretação gráfica; Análise de dados e uso de simulação para construção e validação intuitiva de hipóteses; Elaboração de relatório de análise de dados; Aprofundamento: Introdução à inferência informal; Discussão de resultados identificando e entendendo as Fake News a partir de fatos.  acesse a ementa
Língua Brasileira de Sinais e seu Uso Cotidiano Maria Cristina Yoshioka 03/54 Aprendizado básico da Língua Brasileira de Sinais. Uso da Língua Brasileira de Sinais em diálogos e relatos simples. Aspectos linguísticos da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Importância da Libras para a educação, para a constituição da identidade, bem como para a expressão cultural das comunidades de surdos. acesse a ementa
Medicalização da Sociedade: conceito e desdobramentos na sáude e na educação Maria Lucia Hage Masini 03/54 Tema essencialmente interdisciplinar, a medicalização é processo em que questões da vida -  de ordem política, social, econômica, ambiental e intersubjetiva -  que não se adequam à norma vigente de um determinado tempo histórico, são reduzidas a uma causalidade orgânica, frequentemente identificada como adoecimento do sujeito.
Objetivo geral: Apresentar e discutir o conceito de medicalização na sociedade de modo a contribuir para uma reflexão crítica sobre a praxis de profissionais das áreas da saúde e da educação.
Objetivos específicos: (1) identificar e problematizar práticas e políticas públicas de cunho medicalizante em contextos de saúde e de educação; (2) identificar a medicalização da vida no discurso midiático; (3) aprofundar o conhecimento sobre entidades e movimentos sociais que trabalham na direção da desmedicalização da vida; (4) construir propostas de pesquisa e ações profissionais que rompam como a lógica medicalizante.
acesse a ementa
Meio ambiente, Saúde e Sustentabilidade José Aguiar Nobre 03/54 Pesquisa sobre a relação do ser humano com o meio ambiente, a sua compreensão acerca da natureza em intersecção com a saúde dos seres criados e a capacidade de regenaração ou sustentabilidade do planeta. A disciplina objetiva tecer refelexões sobre o papel da criatura humana em face do cuidado com o meio ambiente, a fim de que a saúde e a sustentabilidade sejam garantidas. Estudar os conceitos de meio ambiente; ser humano e sustentabilidade em face de uma compreensão atualizada das condições para o favorecimento da vida.  Em outras palavras, a fim de que a vida seja possível no cosmo. Para tanto serão trabalhados temas sobre a qualidade de relação humana com o Deus Criador e o lugar do ser humano como criatura que ocupa uma posição privilegiada de interlocutor entre esse Criador e todas as demais criaturas. Inclui uma perspectiva ecológica e abrangente para pensar o papel do ser humano na criação. Compreende o ser humano à luz do projeto de Deus e produz uma reflexão crítica que leva em conta as diversas dimensões desumanizantes do pecado e sua libertação humanizadora e salvadora através da vida na graça comunicada por Cristo e por seu Espírito. Fundamenta teologicamente a compreensão da ação salvífica de Deus em perspectiva que considera, a partir da América Latina, uma visão crítico-libertadora da acolhida do Mistério presente no semelhante e no seu entorno. Nesse sentido o ser humano é entendido criado Criador para favorecer no meio ambiente as condições para a vida digna. acesse a ementa

 

Disciplinas Tradicionais

Turno Matutino

Disciplina Professor(a) Créditos/ Carga Horária Dia da Semana Horário Ementas e Objetivos EMENTAS COMPLETAS
Agendas contemporâneas da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Luiza Rodrigues Mateo 03/51 5ª feira 8h20 às 10h50  Histórico da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (CID); principais modalidades e motivações da CID; atores da CID; CID e estratégias de política externa; debates e agendas contemporâneas da CID; iniciativas multilaterais; análise de projetos de cooperação. acesse a ementa
Antropologia da imagem, violências e resistências na América Latina Rita de Cassia Alves Oliveira 04/68 5ª feira 08h20 às 11h55 A Antropologia da Imagem é, principalmente, metodologia qualitativa de investigação científica; fotografias e produções audiovisuais são documentos que podem ser lidos na compreensão dos conflitos sociais, das disputas simbólicas e imaginárias, das percepções e representações, da produção de memórias e dos cotidianos vividos. Neste sentido, esta disciplina enfatiza a discussão de metodologias criativas de pesquisa e a análise empírica de fotografias e vídeos.
Do ponto de vista temático, este curso aborda as fotos e audiovisuais como instrumentos tanto da espetacularização das violências quanto da produção de resistências e construção de memórias coletivas. As câmeras são “armas” poderosas. As imagens dos “corpos em sofrimento” perpassam quase todas as guerras, a começar pela Criméia dos anos 1850, atingindo o ápice no Vietnã nos anos 1960 e alavancando, sempre, os mercados editoriais e jornalísticos. Por outro lado, como no caso do Holocausto, as imagens também podem ser agenciadas pelas próprias vítimas na documentação e denúncia das atrocidades cometidas nestes conflitos. Os movimentos de resistência da América Latina têm construído “políticas de visibilidade” e “políticas de memória” por meio de fotografias e audiovisuais como forma de enfrentamento das variadas violências sofridas. Para a análise empírica, a disciplina privilegiará os períodos da ditadura militar argentina, da “guerra” colombiana das últimas décadas, do genocídio guatemalteco do início dos anos 1980, dos movimentos estudantis chilenos de 2006 e 2012, do movimento secundarista paulista de 2015, da “onda” feminista dos lenços verdes na Argentina e México em 2019, assim como dos movimentos de mães e familiares de vítimas da violência do estado no México (caso dos 43 estudantes desaparecidos em Ayotzinapa) e no Brasil (Movimento Independente Mães de Maio e sua rede de atuação).
acesse a ementa
Brasil-África-Europa Em Idas e Voltas: Diáspora, Migrações e Mudanças Culturais Guilherme Simões Gomes Júnior  04/72 5ª feira 8h20 às 11h55 Fluxos culturais entre Bahia, Golfo do Benin, Jamaica, Etiópia; migrações pós-coloniais do Magreb à França; com foco nas tensões entre assimilação, revolta, hibridismo e neocomunitarismo acesse a ementa
Conhecimento e experiência-limite Mariza Martins Furquim Werneck 04/68 5ª feira 08h20 às 11h55 Diante de determinados acontecimentos, ou experiências da história humana o pensamento hesita. Para afirmar nossa dificuldade de pensá-los surgem expressões como “o inenarrável”, “o irrepresentável”, ou “o impensável”.
Retomando a conhecida formulação de Michel Foucault, poderíamos perguntar: Que coisa, pois, é impossível pensar, e de que impossibilidade se trata? Que impasses, que obstáculos estão colocados diante das ciências como um todo, e das Ciências Sociais em particular para pensar o limite do humano, as misérias e precariedades de nossa condição?
Muitas vezes as ferramentas epistemológicas que construímos são capazes de aproximar-se desses estados-limites e expressá-los de forma contundente.
Em outros momentos, quando falham a História, a Filosofia ou a Antropologia, são as artes, a literatura, o teatro, ou a poesia, que conseguem se aproximar destes lugares noturnos, quase inacessíveis, sem reivindicar qualquer verdade ou certeza, tão próprias dos saberes e das crenças.
Aceitando este desafio, o objetivo desta disciplina é sondar, de forma transdisciplinar, algumas experiências-limites como a peste, a loucura, a morte, o crime, ou as drogas, e indagar quais as respostas possíveis – ou que novas perguntas - poderemos formular diante delas.
acesse a ementa
Direito, Gênero e Igualdade: As Diversas Formas de Discriminação e Violência – Módulo II Silvia Carlos da Silva Pimentel 02/34 5ª feira 10h15 às 11h55 O objetivo da disciplina é incorporar a perspectiva de gênero ao ensino universitário jurídico e à formação dos futuros profissionais do direito, através de uma abordagem crítica e multidisciplinar. Estudo acerca da desigualdade de gênero em nossa sociedade e no direito brasileiro. Conceitos básicos: gênero, discriminação e violência de gênero, direitos humanos, desigualdade, patriarcado, estereótipos, preconceitos. As mulheres em sua diversidade. Direito internacional, interamericano e brasileiro: normativa e jurisprudência. Acesso à justiça e ao processo no Poder Judiciário. Temas diversos. acesse a ementa
Ecologia Política, temáticas socioambientais e Relações Internacionais Isabella Alves Lamas   03/51 5ª feira 8h20 às 10h50  Estudo das temáticas socioambientais como um dos aspectos centrais das relações transnacionais e da governança global contemporânea que ganharam destaque nas RI a partir dos anos 1970, mas com particular intensidade nos final do século XX e início do XXI. Diálogo entre a Ecologia Política, abordagem crítica às dinâmicas da Economia Política Internacional e central para a compreensão de conflitos socioambientais contemporâneos, com as Relações Internacionais.  acesse a ementa
Improvisação  Maria Zélia Bacellar Monteiro 02/34 5ª feira 7h30 às 9h10 Estimular a criação de protocolos investigativos para a exploração e a organização do movimento, observando a aquisição das habilidades e competências tátil-sinestésicas necessárias para a implementação de questões temáticas no e pelo corpo, voltados para a improvisação.
(1) técnicas de improvisação – com ênfase no estabelecimento de técnicas de improvisação e seu uso como ferramenta nos processos de pesquisa.
(2) improvisação e criação – com ênfase na improvisação como modo de organização da cena.
acesse a ementa
International Arbitration Claudio Finkelstein 03/51 5ª feira 7h30 às 10h COURSE SUMMARY:
The course offers a theoretical, practical and comprehensive view of the international arbitration process from the constitution of the arbitral tribunal to the hearing itself and the ultimate issuance of the award and its validity in Brazil or abroad. The approach aims at the active participation of the students and emphasis will be on discussions and role-playing exercises which gives the participants important experience in the handling of important issues that frequently arise in an actual international arbitration, from both an academic and practical standpoint. Initial lectures will be taught by the Professor and Assistants (Pos-Graduation Students of PUC/SP) and most classes will have a presentation by students followed by a mandatory debate on the issues presented.
Although the course and its reading material are intended to review relevant aspects of international arbitration, the students will be required to relate their lessons with actual Brazilian decisions in order to establish Brazil’s adherence to international practices.
Mandatory reading material in English (all books are available at the main library). Additional reading material in Portuguese and French (some are not available in the library).
Some students may be chosen to take part in the PUC/SP team to the Willem C. Vis International Commercial Arbitration Moot, in Vienna or Hong Kong.

COURSE REQUIREMENTS:
Fluency in English. Participants will be expected to do some preparatory reading from the recommended readings and to familiarize themselves with the problem, which will be used in the role playing exercises and discussions.  
Participants will be required to draft procedural orders, memorandums and an arbitration award that will be considered as part of the examination.
Further selected topic-specific materials will be made available before each lecture, and students should feel free to require assistance to teacher when and if necessary
acesse a ementa
Mercados Globais e Sistema Financeiro Brasileiro – Construção de Cenários para Decisões de Investimentos José Nicolau Pompeo  02/34 5ª feira 7h30 às 9h10 Apresentação dos diferentes Mercados Globais – países centrais versus periferia do Sistema Capitalista – o desenvolvimento desigual como aspecto importante para a competitividade.
As crises Epidêmicas na história do capitalismo e as consequências nos Processos Produtivos – a crescente fragilidade dos Estados frente ao explosivo endividamento em geral
Comportamento dos Mercados Financeiros na construção de Maquiagens em Financiamentos e Aplicações Financeiras
Papel da Mídia Falada, Escrita e Televisiva na denúncia dos ABUSOS como forma de combate ao aumento do endividamento dos consumidores
Negociações internacionais e o papel da produtividade interna, retomada do crescimento e competitividade – o Brasil como um novo player no comércio internacional – o papel das commodities
As crises cíclicas do capitalismo: história e atualidade – capital produtivo e improdutivo – a especulação nas Bolsas de Valores
Mercado de Ações, Indústria Nacional e Intermediação Financeira – papel do Estado como indutor do crescimento – fragilidade diante das crises Epidêmicas
Construção de Cenários para os países emergentes nas Crises Cíclicas do Capitalismo.
Construção de Cenários como base para tomada de Decisões de Investimentos em Geral
Os fóruns de discussões internacionais – presença do Brasil
acesse a ementa
Metodologias qualitativas de pesquisa e ação social: processos e desafios ético-políticos contemporâneos  Cris Fernández Andrada  03/54 5ª feira 10h15 às 12h45  Introdução a métodos de pesquisa e ação social em Ciências Sociais. Aspectos históricos, filosóficos e ético-políticos do campo de estudo e seus desafios contemporâneos. Características, leituras e principais modalidades de metodologias qualitativas. Aspectos constitutivos do trabalho de campo qualitativo. A pesquisa qualitativa como processo e como relação social. Estratégias de interpretação de fatos e/ou coleta de dados em trabalhos qualitativos, com destaque para as contribuições da Psicologia Social e Social do Trabalho.
 
acesse a ementa
Núcleo Família e Sociedade Laisa Regina Di Maio Campos de Toledo 04/72 5ª feira 7h30 às 11h05 Estudo e análise crítica da formação sócio histórica da família contemporânea, identificando as suas diferentes configurações sociais, atribuições, principais demandas e a responsabilização da família implícita na legislação e nas disposições dos programas existentes no âmbito do sistema de proteção social e sociojurídico. O conteúdo se articula em três eixos básicos: a concepção de família, as demandas da família vulnerabilizada pela pobreza e a relação família e Estado. acesse a ementa
Núcleo Temático de Qualidade de Vida e Saúde Maria do Socorro Reis Cabral 04/72 5ª feira 7h30 às 11h05 Estudo das bases conceituais e sócio histórica relativas a qualidade de vida e saúde, bem como da Reforma Sanitária brasileira e a construção do SUS, analisando as práticas profissionais no interior das práticas de saúde. acesse a ementa
Núcleo Temático Pobreza e Desigualdade Rosalina de Santa Cruz Leite 04/72 5ª feira 7h30 às 11h05 O núcleo é um espaço multidisciplinar que se propõe desenvolver estudos e pesquisas sobre pobreza e desigualdade, suas expressões, formas de enfrentamento. Privilegia-se uma compreensão critica da pobreza entendendo-a como consequências diretas do processo de acumulação capitalista.
 
acesse a ementa
Saúde global Arthur Felipe Murta Rocha Soares 04/68 5ª feira 8h20 às 11h55 O campo da saúde global surgiu para tratar os problemas de saúde que transcendem fronteiras, influenciados ou não por circunstancias externas, enfatizando problemas de saúde transnacionais, determinantes e soluções. Para tanto, parte-se do pressuposto de que os países já não podem mais tratar da saúde como uma questão unicamente nacional. O curso iniciará com a discussão sobre o que é Saúde Global e qual a inserção desse campo nos debates de Relações Internacionais, com seus principais conceitos e atores. A segunda parte do curso será temática, abordando: surtos, epidemias e pandemias (ebola, zika, covid-19); economia política internacional e austeridade; migrações, gênero e saúde LGBT; big pharma; crises humanitárias e segurança; HIV/Aids; cobertura universal e determinantes sociais da saúde. acesse a ementa
Temas Atuais em Psicologia Judiciária Evani Zambon Marques da Silva 03/51 5ª feira 7h30 às 10h Nenhuma ciência pode sozinha resolver ou ampliar satisfatoriamente os dilemas da humanidade. Assim, nos tempos atuais a interdisciplinaridade desponta como um caminho certeiro para a reflexão de diversos dilemas que assolam as vidas humanas. O conhecimento contemporâneo não pode ser mais compartimentalizado, devendo valorizar a integração das ciências. Assim, questões envolvendo as áreas da infância e juventude, as relações familiares contemporâneas, os paradigmas da doença mental atinentes à criminalidade e seu julgamento, a violência doméstica, a atenção ao idoso, evidenciam a necessidade do saber psicológico para a compreensão e gerenciamento das situações. A excessiva judicialização dos dilemas exige que todo o profissional das ciências humanas desenvolva um olhar ampliado e melhor instrumentalizado em face dos conflitos existentes na sociedade. Dentre muitas outras áreas, a Psicologia e Direito construíram ao longo da história um flanco que permite a visão interdisciplinar inserir-se em outros assuntos tais como a bioética, as discussões de gênero, a violência e tantos outros. Conhecimentos psicológicos passam a ser exigidos nos concursos de ingresso às carreiras públicas, como por exemplo, a Magistratura (Resolução nº 75 do Conselho Nacional de Justiça), legitimando a necessidade da interdisciplinaridade. acesse a ementa

 

Turno Noturno

Disciplina Professor(a) Créditos/ Carga Horária Dia da Semana Horário Ementas e Objetivos EMENTAS COMPLETAS
A área de Linguagens na BNCC (Base Nacional Comum Curricular) Ana Luiza Marcondes Garcia  02/38 5ª feira 18h50 às 20h30 Como atuar na perspectiva educacional proposta na BNCC homologada em 2018? Como formar estudantes da Educação Básica em uma área de conhecimento, a de Linguagens, que integra quatro componentes curriculares: Língua Portuguesa, Arte, Educação Física e Língua Inglesa? Partindo do pressuposto de que, pata tanto, será necessário focalizar conjuntos de saberes necessários para a participação atuante dos sujeitos na sociedade contemporânea, este curso vai fornecer subsídios para responder a essas questões a partir da leitura e da análise tanto da própria BNCC, como de projetos e materiais didáticos que concretizem alguns dos pressupostos do documento. Fundamentada na área da Linguística Aplicada, especialmente na abordagem dos multiletramentos, o objetivo geral é levar os participantes - futuros professores, educadores ou gestores educacionais - a se apropriarem de estratégias didáticas eficazes para desenvolver algumas competências propostas no documento para a área de Linguagens, tais como as de compreender a natureza histórico-social das linguagens e suas funções na expressão de identidades; compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação nas práticas públicas e privadas da vida contemporânea e envolver-se em práticas de linguagem variadas, em campos de atuação distintos, com diferentes propósitos.  acesse a ementa
Agendas Contemporâneas da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Luiza Rodrigues Mateo 03/51 5ª feira 18h50 as 21h20 Histórico da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (CID); principais modalidades e motivações da CID; atores da CID; CID e estratégias de política externa; debates e agendas contemporâneas da CID; iniciativas multilaterais; análise de projetos de cooperação. acesse a ementa
Cidade e Natureza Matilde Maria Almeida Melo 03/51 5ª feira 18h50 às 22h25 • Refletir sobre relação cidade – natureza na história das idéias e da produção de cidades destacando a natureza social da “ideia” de natureza e a natureza social da cidade e seu processo de (re) constituição;
• Introduzir a discussão da questão urbana, abordando os diferentes olhares sobre a cidade calcados nos paradigmas do conhecimento sociológico;
• Refletir sobre o urbanismo enquanto concepção de produção da cidade moderna, buscando suas raízes históricas e posteriores transformações e aplicações na (re)produção das  cidades contemporâneas;
• Analisar as relações entre os diferentes agentes envolvidos na produção e gestão das cidades contemporâneas, procurando desvendar os processos sociais de produção, distribuição e consumo do espaço construído. 
• Introduzir a discussão sobre as teorias de uso do solo urbano visando apreender a especificidade de (re)produção das cidades contemporâneas.
• Refletir sobre a cidade real (in)sustentável e a nova natureza da “natureza” no discurso da sustentabilidade das cidades
• Problematizar a relação Cidades Sustentáveis no âmbito das novas utopias do século XXI
acesse a ementa
Comunicação, cultura digital e imagética: novos movimentos sociais, violências e resistências na América Latina Rita de Cássia Alves Oliveira 03/54 5ª feira 18h50 às 21h20  A cultura digital e imagética permeia os cotidianos, estrutura as sociabilidades, os afetos, oferece ferramentas e conteúdos para construção de identidades e pertencimentos, alavanca a transformação dos processos cognitivos e das práticas políticas. Os processos comunicacionais tornam-se centrais e  articulam-se aos desenvolvimentos culturais e políticos.
As câmeras e as imagens são “armas” poderosas. Fotografias e vídeos são instrumentos tanto na espetacularização das violências - notadamente no contexto da cultura de massa -,  quanto na produção de resistências e construção de memórias coletivas – especialmente no âmbito da cultura digital.
Muitos movimentos sociais contemporâneos, configurados em parte como coletivos ou grupos juvenis não institucionalizados, horizontais e autogestionários, apoiam-se, principalmente, nas tecnologias digitais e na produção e apropriação de imagens/audiovisuais em seus processos de organização, vizibilização e articulação transnacional.
Movimentos e práticas de resistência recentes da América Latina são marcados, por um lado, pela presença e protagonismo dos e das jovens ou, por outro, pela denúncia do genocídio juvenil (ou juvenicídio, em espanhol) em curso; têm construído, por meio das redes sociais digitais e em articulação com as mídias independentes e alternativas, “políticas de visibilidade” e “políticas de memória” no enfrentamento das variadas violências sofridas. Fotografias e audiovisuais são rapidamente difundidos e apropriados por outros grupos e coletivos na constituição de redes de atuação e “aprendizagens” de resistências, como no caso do movimento estudantil chileno de 2006 e do movimento secundarista paulista de 2015, da “onda” feminista dos lenços verdes na Argentina e México em 2019, assim como dos movimentos de mães e familiares de vítimas da violência do estado no México (caso dos 43 estudantes desaparecidos em Ayotzinapa) e no Brasil (Movimento Independente Mães de Maio e sua rede de atuação).
A disciplina pretende discutir: como os novos movimentos juvenis apropriam-se e utilizam-se das tecnologias digitais de comunicação em seus enfrentamentos políticos e culturais? Qual o papel e os usos das imagens nestes processos? Como articulam-se, transnacionalmente, por meio da cultura digital e imagética?
acesse a ementa
Crimes de Violência Familiar e Doméstica contra a Mulher Mauricio Januzzi Santos 02/38 5ª feira 18h50 às 20h30 Visando à preparação do aluno para o exercício profissional, a Faculdade de Direito da PUC/SP disponibiliza a disciplina optativa, onde o acadêmico completará a carga horária exigida pelo curso. Nesta disciplina optativa, o aluno será motivado por meio da prática real forense a acompanhar as situações enfrentadas no dia-a-dia do Advogado, do Promotor de Justiça e do Juiz de Direito que o desafiam à proposição de soluções e à redação dos documentos (petições) adequados a cada caso concreto. Conforme possibilidade o aluno participará também de visitas monitoradas às delegacias de polícias, audiências em juízo criminal e ao Colégio Recursal, fazendo com que tenha a vivência e adquira experiência nas lides do mundo real forense na área do direito penal.  acesse a ementa
Direito, Gênero e Igualdade: As Diversas Formas de Discriminação e Violência - Módulo II Valeria Diez Scarance Fernandes 02/34 5ª feira 21h35 às 23h15 O objetivo da disciplina é incorporar a perspectiva de gênero ao ensino universitário jurídico e à formação dos futuros profissionais do direito, através de uma abordagem crítica e multidisciplinar. Estudo acerca da desigualdade de gênero em nossa sociedade e no direito brasileiro. Conceitos básicos: gênero, discriminação e violência de gênero, direitos humanos, desigualdade, patriarcado, estereótipos, preconceitos. As mulheres em sua diversidade. Direito internacional, interamericano e brasileiro: normativa e jurisprudência. Acesso à justiça e ao processo no Poder Judiciário. Temas diversos. acesse a ementa
Gênero - Raça Lucineia Rosa dos Santos 03/51 5ª feira 18h50 às 21h20 A disciplina apresentada refere-se à proteção dos direitos humanos no o sistema global, analisando os instrumentos internacionais de direitos humanos aprovados e adotados pela Organização das Nações Unidas, como: a Carta Internacional dos Direitos Humanos, constituída pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e os Pactos Internacional dos Direitos Civis e Políticos e o Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais e seus Protocolos Adicionais, documentos estes que apresentam a aplicabilidade e eficácia dos Direitos humanos sobre os direitos das liberdades, da igualdade e da solidariedade.  Relevante é abordarmos o Sistema Especial de Proteção dos Direitos Humanos, o qual estabelece proteção específica à certos grupos denominados minorias ou grupos vulneráveis. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, prevê que: Todas pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos, assim, tantos os instrumento internacionais de proteção dos direitos humanos, como, os instrumentos jurídicos internos de cada país, disciplinam que: todos são iguais.  A igualdade descrita nos instrumentos internacionais, bem como, nos instrumentos do ordenamento jurídico interno de cada país, é denominada igualdade formal. Porém, temos a denominada igualdade material, cuja natureza é fática, o que não apresenta a igualdade como um todo, ou seja, trata-se de uma igualdade relativa, no qual nem todos são iguais materialmente, necessitando assim, de uma proteção específica, motivo pelo qual, as Nações Unidas adotou um sistema especial de direitos humanos.  Sendo assim, o Sistema Especial de Proteção dos Direitos Humanos dá-se pelo critério de igualdade material em razão de gênero, orientação sexual, idade, etnia-raça, pessoa com deficiência e demais grupos, adotando Convenções Específicas de Proteção dos Direitos Humanos, as quais são objeto de estudo e análise na presente disciplina, como: a Convenção sobre a Eliminação de Toda a Forma de Discriminação contra a Mulher e a Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial, bem como a análise de mais instrumentos de proteção tanto do âmbito internacional como do interno através de políticas públicas e ações afirmativas implementadas pelo Estado Brasileiro. acesse a ementa
Geopolítica Gustavo de Oliveira Coelho de Souza 04/72 5ª feira 18h50 às 22h25 Compreensão da conjuntura geopolítica contemporânea tendo como referências os conceitos que nortearam a constituição dessa disciplina. As escolas geopolíticas e a influência dessas correntes de pensamento na política mundial. A geopolítica do Brasil. Geopolítica contemporânea e seus atores: meio ambiente, economia e cultura acesse a ementa
Governança de segurança: atores locais e globais de segurança e insegurança Tomaz Oliveira Paoliello 03/51 5ª feira 18h50 as 21h20 A governança na área de segurança, procedimentos e instituições, tem ganhando espaço nas discussões da área de Relações Internacionais, pois permite compreender de que maneira o tema complexo se organiza nas sociedades contemporâneas diante do processo de globalização. Diversos atores públicos e privados, locais e globais, legais e ilegais, gerem de maneira conectada o amplo setor de segurança.  acesse a ementa
Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Sociedade e Futuro Marcelo Graglia 03/54 5ª feira 18h50 às 21h20 

modalidade
híbrida
A inteligência artificial, a Internet das Coisas e as novas tecnologias - blockchain, realidade virtual e aumentada, impressão 3D e outras - no contexto da nova revolução tecnológica.
Impactos na sociedade, nas organizações, no trabalho, nas profissões e nas pessoas. Tendências, cenários e desafios para os próximos anos.
 
acesse a ementa
Núcleo Temático Questão Urbana, Cidades e Meio Ambiente Elizabeth de Melo Rico  04/72 5ª feira 18h50 às 22h20 O Núcleo QUESTÃO URBANA, CIDADES, MEIO AMBIENTE E SERVIÇO SOCIAL tem como foco a compreensão das raízes estruturais de produção do espaço urbano, do território, da função social da propriedade da terra e das condições socioambientais e do desenvolvimento sustentável. No âmbito das políticas públicas e do Serviço Social serão analisadas as políticas voltadas às metrópoles, habitação, saneamento, gestão dos rejeitos e dos recursos hídricos, meio ambiente e recuperação urbana, bem como a atuação dos atores da sociedade civil considerando as respostas profissionais, instrumentos de trabalho, limites e possibilidades. acesse a ementa
Racismos e Diversidades Culturais no Mundo/Pluriverso Contemporâneo Lucia Helena Vitalli Rangel 03/54 5ª feira 18h50 às 21h20 Compreender as formas do racismo e da diversidade de culturas na realidade contemporânea, plural e multifacetada, cenário de conflitos, desigualdades e negação de direitos, isto é, no pluriverso.
No decorrer das aulas serão identificadas as situações mais agudas de expressões racistas até as mais escamoteadas que negam o racismo e a dicriminação. Como afirmou Lélia Gonzales: “A gente não nasce negro, a gente se torna negro. É uma conquista dura, cruel e que se desenvolve pela vida da gente afora. Aí entra a questão da identidade que você construindo”. “Então para mim, uma pessoa negra que tem consciência de sua negritude está na luta contra o racismo”. (entrevista de 1988) Esta afirmação é o ponto de reflexão fundamental para pensar a realidade brasileira (e latino-americana), na qual se carregam tantas negações, como as dos povos indígenas e de tantas outras categorias sociais excluídas.
Serão analisadas as expressões a respeito dos povos negros e indígenas e as manifestações de racismo e discriminação no âmbito de algumas realidades, delimitadas pelos continentes americano e africano. A partir das cartas internacionais sobre racismo e diversidade cultural (UNESCO, ONU, OIT) e legislações nacionais, pretende-se refletir sobre as identidades e descontinuidades na atualidade.
acesse a ementa
Saúde Global Arthur Felipe Murta Rocha Soares 04/68 5ª feira 19h40 às 23h05  O campo da saúde global surgiu para tratar os problemas de saúde que transcendem fronteiras, influenciados ou não por circunstancias externas, enfatizando problemas de saúde transnacionais, determinantes e soluções. Para tanto, parte-se do pressuposto de que os países já não podem mais tratar da saúde como uma questão unicamente nacional. O curso iniciará com a discussão sobre o que é Saúde Global e qual a inserção desse campo nos debates de Relações Internacionais, com seus principais conceitos e atores. A segunda parte do curso será temática, abordando: surtos, epidemias e pandemias (ebola, zika, covid-19); economia política internacional e austeridade; migrações, gênero e saúde LGBT; big pharma; crises humanitárias e segurança; HIV/Aids; cobertura universal e determinantes sociais da saúde. acesse a ementa
Temas Atuais em Psicologia Judiciária Evani Zambon Marques da Silva 03/51 5ª feira 18h50 às 21h20 Nenhuma ciência pode sozinha resolver ou ampliar satisfatoriamente os dilemas da humanidade. Assim, nos tempos atuais a interdisciplinaridade desponta como um caminho certeiro para a reflexão de diversos dilemas que assolam as vidas humanas. O conhecimento contemporâneo não pode ser mais compartimentalizado, devendo valorizar a integração das ciências. Assim, questões envolvendo as áreas da infância e juventude, as relações familiares contemporâneas, os paradigmas da doença mental atinentes à criminalidade e seu julgamento, a violência doméstica, a atenção ao idoso, evidenciam a necessidade do saber psicológico para a compreensão e gerenciamento das situações. A excessiva judicialização dos dilemas exige que todo o profissional das ciências humanas desenvolva um olhar ampliado e melhor instrumentalizado em face dos conflitos existentes na sociedade. Dentre muitas outras áreas, a Psicologia e Direito construíram ao longo da história um flanco que permite a visão interdisciplinar inserir-se em outros assuntos tais como a bioética, as discussões de gênero, a violência e tantos outros. Conhecimentos psicológicos passam a ser exigidos nos concursos de ingresso às carreiras públicas, como por exemplo, a Magistratura (Resolução nº 75 do Conselho Nacional de Justiça), legitimando a necessidade da interdisciplinaridade. acesse a ementa

 

 

Menu
PUC-SP
J.PUC-SP
Sou PUC