Selecione abaixo a informação que deseja visualizar.

Página Inicial
Curso da UAM
História do Jornal
Quem Somos
Crônicas
Aspectos Biopsicossociais
Com a Palavra o Professor
Gente Notável
Entrevista
Eventos & Notícias
Palavra Poética
Sabor & Saber
Turismo
Curiosidades
Caça-palavras
Cultura & Lazer
Carta do Leitor
Edições Anteriores
Videoteca
Galeria de Imagens
Fale Conosco
  Cadastre-se

 

 

Página inicial  
 

Cânions do Rio São Francisco

Por Célia Gennari

Estive em Aracaju/SE em janeiro deste ano, numa visita a amigos de longa data – Odevan e Lindinalva. Depois de 10 anos tive o prazer de rever praias e progresso no turismo local. Já tenho vontade de voltar para conhecer outros lugares, que não tive tempo na oportunidade.

Após matar a saudade dos amigos, iniciei visitas a alguns pontos turísticos. Os Cânions do Rio São Francisco são surpreendentes e vale a pena conhecê-los. Já existe toda uma infraestrutura para receber os turistas. O passeio é “rápido” e fica um gosto de “quero mais”. No entanto, o tempo voa e se o visitante não levar um lanche, vai ter de almoçar no único restaurante do local.

Este passeio de três horas é o principal do Xingó e é feito de catamarã, uma embarcação confortável. Fica uma sugestão: não sente perto do motor: nesse local não dá para ouvir nada, caso o percurso seja acompanhado por guia turístico.

Os cânions impressionam pela perfeição e beleza natural das rochas areníticas. Durante todo o percurso, de 17 km pelo rio e no decorrer do caminho, surgem alguns nomes interessantes das formações rochosas, como a Ponta do Papagaio, que lembra um bico de papagaio; a Pedra do Japonês, que lembra uma construção oriental; e o Morro dos Macacos.

O Paraíso do Talhado é o local da parada para banho, de todo o percurso, o melhor e mais bonito. Certamente, não foi escolhido à toa para a parada. Lá é possível encontrar belas formações rochosas que medem cerca de 30 metros e têm uma cor alaranjada. A água apresenta tons esverdeados e revela ao turista um contraste encantador. O local do banho para os turistas mergulharem é cercado e bem seguro, nas águas do rio São Francisco.

No local oferecem um passeio com um barquinho (R$ 10,00 por pessoa) que leva até a Gruta do Talhado, inacessível aos catamarãs e lanchas. O trajeto é rápido, até demais. Não há parada.

O passeio até o Paraíso do Talhado, de uma forma geral, é longo. Saindo de Aracaju dura nove horas. São três horas de estrada até Canindé de São Francisco, três horas de passeio e três horas de volta a Aracaju. Portanto, pense bem e pesquise sobre os custos. Um motorista (táxi ou Uber) pode (tirar-lhe) cobrar até R$ 250,00 ida e volta. Mas existem agências de turismo que oferecem o serviço. Eu fui pela agência e voltei relaxando no ônibus com ar condicionado.

Na volta ainda tivemos uma pequena parada em Nossa Senhora da Glória, num local onde vendem doces. Sim, comprei alguns. Relembrei, rapidamente, um ano novo que passei na cidade, onde mora a mãe do meu amigo, há 25 anos. A cidade cresceu!

Cada viagem uma nova sensação e novas histórias para contar.
Até a próxima.

 
Edições Anteriores
* Os artigos publicados no jornal Maturidades são de inteira responsabilidade dos autores
(que exprimem suas opiniões e assinam seus artigos) devendo ser encaminhada
a estes toda e qualquer sugestão, crítica ou pedido de retratação.
       
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo • PUC-SP - Design DTI•NMD - 2016