Selecione abaixo a informação que deseja visualizar.

Página Inicial
Curso da UAM
História do Jornal
Quem Somos
Crônicas
Aspectos Biopsicossociais
Com a Palavra o Professor
Gente Notável
Entrevista
Eventos & Notícias
Palavra Poética
Sabor & Saber
Turismo
Curiosidades
Caça-palavras
Cultura & Lazer
Carta do Leitor
Edições Anteriores
Videoteca
Galeria de Imagens
Fale Conosco
  Cadastre-se

 

 

Página inicial  

A Geladeira

Por Viviane Bigio



Uma das criações mais importantes da modernidade é a geladeira. Ela surgiu como uma das consequências da Revolução Industrial. As empresas precisavam armazenar alimentos e bebidas em um ambiente refrigerado, o que as levou a procurar uma solução tecnológica. Esta representaria uma grande melhora na vida das pessoas e lhes permitiria a conservação de produtos perecíveis por mais tempo.

O primeiro sistema de refrigeração foi desenvolvido no século XIX por um frigorífico de Chicago nos Estados Unidos.

Em 1856, uma fábrica de cerveja australiana contratou um engenheiro, James Herrison, para desenvolver um sistema que pela compressão de vapor podia manter baixa a temperatura dos produtos. Um pouco depois surgiu também uma nova versão para a conservação de frutas e legumes.

Contam que um cervejeiro de Munique contratou um engenheiro, Carl Von Linde, para desenvolver uma máquina que pudesse conservar a cerveja o ano inteiro, em vez de só produzi-la no inverno.

A primeira geladeira doméstica apareceu em 1913 com o nome de Domebre (Domestic Electric Refrigerator). Depois ficou conhecida como Kelvinator. Era uma bomba de calor de duas fases.

No século XX a geladeira se popularizou e transformou-se em um grande negócio conhecido como Monitor Top. Era produzida pela General Electric.

No Brasil, a primeira geladeira foi fabricada em 1947 em Brusque, Santa Catarina, e em1950 surgiu a primeira fábrica especializada: a Consul.

A futura geladeira passa para o estágio dos supercondutores com redução no consumo de energia e aumento do ciclo da vida do aparelho.

Ela não é mais um produto de luxo. Passou a fazer parte da vida das pessoas comuns e se tornou imprescindível em quase todos os lares.

 


 
Edições Anteriores

 

* Os artigos publicados no jornal Maturidades são de inteira responsabilidade dos autores
(que exprimem suas opiniões e assinam seus artigos) devendo ser encaminhada
a estes toda e qualquer sugestão, crítica ou pedido de retratação.
       
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo • PUC-SP - Design DTI•NMD - 2016