Atelier de Clio – Oficinas de História

Apresentação 

 O Atelier de Clio – Oficinas de História é formado por atividades propostas pelo curso de especialização História, Sociedade e Cultura e tem por objetivo contribuir para o aprofundamento da relação ensino-pesquisa em diferentes momentos do processo de formação dos alunos de graduação e pós-graduação da área de Ciências Sociais.

Será feito o uso de linguagens como música, cinema, literatura, artes plásticas, teatro e etc, nos mais variados documentos como fontes de pesquisa, refletindo e produzindo conhecimento histórico, através de olhares distintos, nas diversidades das linguagens e nas multiplicidades de seus códigos.
 

Público Alvo


As inscrições para as oficinas são abertas a alunos de graduação, especialização, mestrado, doutorado e demais interessados.

 

Corpo Docente 

COORDENAÇÃO
Profa. Dra. Maria do Rosário Cunha Peixoto

VICE-COORDENAÇÃO
Profa. Dra. Olga Brites

PROFESORES

A Anatomia de um Golpe: lutas e resistências dos trabalhadores brasileiros frente à plataforma social, econômica e cultural imposta pela ditadura militar no Brasil (1964-1985)
Prof. Dr. Danielle Franco da Rocha
Prof. Dr. Edimilsom Peres Castilho
Prof. Dr. Eribelto Peres Castilho

Cinema Africano: a estética da resistência
Prof. Dr. Amailton Magno Azevedo

Cinema, História e a Reinvenção da Verdade
Prof. Dr. Mauro Luiz Peron

Da Pesquisa ao Texto: a elaboração da redação no processo da pesquisa histórica
Profa. Ms. Cleonice Rosa do Nascimento Servo
Prof. Ms. Paulo Henrique Oliveira

História, Verdade e Pós-verdade
Prof. Dr. Alberto Luiz Schneider
Profa. Dra. Márcia Juliana Santos

História das Sociedades Árabes (do ano 400 ao 2017)
Prof. Dr. Josias Abdalla Duarte

História Social da Cidade de São Paulo: a formação da periferia como lócus de moradia da classe trabalhadora
Prof. Dr. Edimilsom Peres Castilho
Prof. Dr. Eribelto Peres Castilho
Profa. Dra. Danielle Franco da Rocha

O Tempo da Nova República Através das Histórias em Quadrinhos
Prof. Ms. André Luís Sanchez Cezaretto

O Uso das Fontes Históricas e a Contribuição Africana na Arquitetura Paulista
Prof. Dr. Carlos Gustavo Nóbrega de Jesus

O Uso da Música na Prática do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira
Prof. Ms. Danilo Luiz Marques
Profa. Dra. Maria Izilda Santos de Matos

Quando o Crayon Ataca: o uso do desenho humorístico como fonte de pesquisa e enquanto recurso didático
Prof. Dr. Brás Ciro Gallotta

 

Inscrição 

PUC-SP - Campus Perdizes


Atendimento na COGEAE Unidade Consolação.
Rua da Consolação, 881 - Consolação - São Paulo - SP - Cep: 01301-000
Telefone: (11) 3124-9600
Horário de Atendimento: Segunda à sexta-feira das 12h às 20h30 e Sábados das 8h às 12h30.
Central de Atendimento Telefônico: Segunda a sexta-feira das 9h às 19h e Sábados das 8h às 13h.

Inscrições para novos alunos - até dia 15/05

Faça sua inscrição

ATENÇÃO: A REALIZAÇÃO DO CURSO ESTÁ SUJEITA A NÚMERO MÍNIMO DE MATRICULADOS.
Caso o curso não se viabilize, você será avisado(a) com até 24 horas de antecedência à data prevista para o início das atividades.

 

Estrutura Didática 

Carga horária

8 horas cada oficina

A Anatomia de um Golpe: lutas e resistências dos trabalhadores brasileiros frente à plataforma social, econômica e cultural imposta pela ditadura militar no Brasil (1964-1985)

Esse curso pretende problematizar o sentido histórico-social da ditadura militar brasileira (1964-1985) em seu conjunto, numa perspectiva de totalidade em processo. Para tanto, serão abordados seus aspectos econômicos, sociais e culturais, bem como as lutas e resistências da classe trabalhadora e demais movimentos populares frente a esse processo.
Visa possibilitar aos participantes uma compreensão crítica, geral e articulada do sentido histórico-social da ditadura militar brasileira (1964-1985) em seu conjunto, estimulando a reflexão e a produção de trabalhos que contribuam para a análise, em detalhes, dos aspectos sociais, econômicos, culturais desse recente período de nossa história.

Cinema Africano: a estética da resistência

Até a década de 60 Hollywood dominou a produção da imagem mundial. Com os movimentos cinematográficos do Terceiro Mundo assistimos uma reinvenção da imagem sob outro prisma, a saber: histórias, filosofias e culturas dos povos do sul. Sendo assim, esta oficina busca responder, por achar urgente, a especificidade da estética cinematográfica africana.
O objetivo é sondar perspectivas cinematográficas avessas ao eurocentrismo da imagem. Como o cinema africano conseguiu propôs novas abordagens sobre a imagem negra e se transformou numa linguagem deslocada do hollywoodianismo na segunda metade do século XX e no início do XXI.

Cinema, História e a Reinvenção da Verdade

A marcante presença do Cinema nas sociedades contemporâneas tem sido evidenciada, em distintos contextos econômicos, políticos e sociais, por uma complexa presença de imagens de mundo multifacetadas que, em conjunção com outras forças discursivas, constituem um universo de notável alcance para o debate acerca do Ordem do Olhar – aspecto que avisa de sua particular importância para o campo dos pesquisadores em História, num contexto capitalista em que sociedades se tornam tendencialmente – e agudamente - concentradas em grandes centros urbanos, e nas quais o trânsito da Imagem ganha estatura decisiva.
O curso objetiva contribuir para uma reflexão sobre o Cinema, sobretudo na direção de interrogar o alcance do Cinema como uma forma de representação que, em seu movimento estético-político, elabora e comunica uma leitura de História que, como é justamente leitura, reinventa noções de “Verdade”, procurando legitimar determinados estatutos de Poder e, como contraparte, procurando deslegitimar outros exercícios historicamente dimensionados.

Da Pesquisa ao Texto: a elaboração da redação no processo da pesquisa histórica

Toda pesquisa histórica inicia-se com um processo de escolha do objeto de estudo, delimitação do recorte espaçotemporal e seleção das fontes, passando por um levantamento bibliográfico, leituras e fichamentos, análises e catalogação das fontes e, é finalizada em um formato de redação, onde o pesquisador apresenta os caminhos pelos quais a pesquisa se enveredou, em termos práticos, teóricos e metodológicos. A redação é, portanto, o meio pelo qual o pesquisador informa o seu processo de construção do conhecimento histórico.
A oficina tem o objetivo de apresentar aos participantes da oficina subsídios, extraídos do campo da historiografia, que contribuam para que o pesquisador produza uma redação coesa e objetiva, apresentando o texto final de sua pesquisa com clareza, profundidade e com o devido rigor teórico-metodológico que a ciência histórica exige.

História, Verdade e Pós-verdade

O estudo das sociedades árabes interessa de maneira especial aos pesquisadores brasileiros. Historicamente, estamos ligados à tradição ibérica; este aspecto assinala que elementos constitutivos de nossa história – língua, arquitetura, culinária, entre outros – encontra-se carregada de valores e legados árabes. Não bastasse isso, a partir do último quarto do século XIX, inicia-se fluxo imigratório das sociedades árabes em direção ao Brasil. Some-se a este quadro de aproximações entre Brasil e os Países Árabes o interesse despertado pelos noticiários internacionais a respeito da África e da Ásia entre nós.
O objetico da oficina é oferecer ao aluno visão de conjunto da História das sociedades árabes entre os séculos IV e XXI.

História Social da Cidade de São Paulo: a formação da periferia como lócus de moradia da classe trabalhadora

A proposta de oficina busca contribuir para a formação e aperfeiçoamento de historiadores, educadores e outros profissionais, de modo a favorecer e complementar a diversidade de seus conhecimentos no campo da História Social da Cidade, bem como proporcionar-lhes um importante e necessário momento de reflexão sobre a realidade urbana, social, econômica e cultural do que atualmente é classificado como periferia paulistana.
O objetivo da presente proposta visa fomentar, sobretudo, a reflexão – prática e teórica – de historiadores e outros profissionais, com vistas à produção e consolidação de um conhecimento, de uma práxis, crítica e sensível. Visa favorecer e complementar a diversidade de seus conhecimentos, bem como proporcionar-lhes um importante e necessário momento de discussão e reflexão sobre a formação da periferia da cidade de São Paulo.

O Tempo da Nova República Através das Histórias em Quadrinhos

As histórias em quadrinhos se apresentam cada vez mais como uma fonte de pesquisa para estudiosos das mais diversas áreas do saber e suas tendências. A riqueza de sua linguagem permite extrair informações significativas sobre as visões de mundo de seus criadores, das políticas editoriais e interesses mercadológicos por traz das publicações bem como das relações que se estabelecem com seu público leitor.
A oficina tem como objetivo contribuir para o aprimoramento profissional do historiador sobre o período; Apresentar possibilidades de pesquisa histórica a partir de estudos sobre o humor visual; Estimular a pesquisa acadêmica a partir da busca por novos temas, fontes e problemáticas; Estimular a utilização de diversificados documentos históricos em sala de aula.

O Uso das Fontes Históricas e a Contribuição Africana na Arquitetura Paulista

A oficina apresenta as novas discussões acerca da questão patrimonial no Brasil, como por exemplo, a participação decisiva da cultura africana na construção do panorama patrimonial paulista e a relação do Patrimônio Edificado com o Patrimônio Imaterial em São Paulo.
O objetivo é salientar novas discussões a respeito do patrimônio material e imaterial e as contribuições de diversas culturas na formação da paisagem do Patrimônio Cultural Paulista.

O Uso da Música na Prática do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira

A diáspora africana no mundo atlântico tem como grande legado o patrimônio cultural (dança, música, literatura, teatro, pintura, escultura, etc.). Ritmos musicais como o reggae, jazz, blues, samba, afrobeat, rock and roll, samba-reggae, maracatu, coco-de-roda, forró, rap e coco-de-roda, se fazem presente no cotidiano de nossa sociedade e são espaços privilegiados para o seu entendimento.
Esta oficina visa apresentar possibilidades de práticas pedagógicas preocupadas com o ensino de história e cultura afro-brasileira, utilizando-se de linguagens performáticas e/ou tamboriladas e concebendo expressões corporais como produtoras de conhecimentos. Com base na experiência de mais de três anos de docência no ensino público estadual de São Paulo, pretendemos realizar um debate acerca de questões curriculares na perspectiva da lei 10.639.

Quando o Crayon Ataca: o uso do desenho humorístico como fonte de pesquisa e enquanto recurso didático

Esta oficina se propõe analisar a importância do desenho humorístico como fonte de pesquisa e de conhecimento histórico enquanto linguagem que constrói olhares sobre as práticas e experiências sociais. Além de sua utilização como recurso didático.
O objetivo é trabalhar o desenho humorístico e suas vertentes na história enquanto linguagem que constrói olhares sobre as práticas e experiências sociais, construindo uma percepção e interpretação visual satírica da realidade. Enfatizar a sua importância enquanto recurso didático-pedagógico possível de ser utilizado no processo de ensino-aprendizagem na disciplina de história e também numa perspectiva interdisciplinar.

História das Sociedades Árabes (do ano 400 ao 2017)

O estudo das sociedades árabes interessa de maneira especial aos pesquisadores brasileiros. Historicamente, estamos ligados à tradição ibérica; este aspecto assinala que elementos constitutivos de nossa história – língua, arquitetura, culinária, entre outros – encontra-se carregada de valores e legados árabes. Não bastasse isso, a partir do último quarto do século XIX, inicia-se fluxo imigratório das sociedades árabes em direção ao Brasil. Some-se a este quadro de aproximações entre Brasil e os Países Árabes o interesse despertado pelos noticiários internacionais a respeito da África e da Ásia entre nós.
O objetivo da oficina é oferecer ao aluno visão de conjunto da História das sociedades árabes entre os séculos IV e XXI.

Duração 
8 horas
Turmas e Horários 

Todas as oficinas acontecerão no dia 20 de maio de 2017, das 8 às 17 horas, no Campus Perdizes.

Local 

Campus Perdizes - Cogeae

Rua Monte Alegre, 984
Perdizes - São Paulo/SP
CEP: 05014-901

Atendimento no Campus Consolação - Unidade COGEAE 

Unidade COGEAE
Rua da Consolação, 881 - Consolação - São Paulo/SP
CEP: 01301-000
Telefone: (11) 3124-9600
Horário de atendimento: de segunda a sexta-feira, das 12h às 20h30, e aos sábados, das 8h às 12h30
Central de atendimento telefônico: de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, e aos sábados, das 8h às 13h
Categoria 
Extensão
Situação 
Matrículas abertas
Áreas de conhecimento 
Investimento 

 

Investimento Total de Cada Oficina

  • R$ 80,00 

 

Conecte-se à PUC-SP