Selecione abaixo a informação que deseja visualizar.

Página Inicial
Curso da UAM
História do Jornal
Quem Somos
Crônicas
Aspectos Biopsicossociais
Com a Palavra o Professor
Gente Notável
Entrevista
Eventos & Notícias
Palavra Poética
Sabor & Saber
Turismo
Curiosidades
Caça-palavras
Cultura & Lazer
Carta do Leitor
Edições Anteriores
Videoteca
Galeria de Imagens
Fale Conosco
  Cadastre-se

 

 


Página inicial
  
 
 

Biscoito ou Bolacha

Biscoito ou Bolacha

Bolacha ou Biscoito? A diferença entre os termos está na maneira do preparo. Ambos são feitos com massa de farinha de qualquer cereal, com ou sem açúcar, gordura ou levedura. Normalmente as bolachas são secas, enquanto os biscoitos podem ser secos ou úmidos. Apesar da pluralidade em seus formatos, as bolachas distinguem-se dos biscoitos por estes raramente serem planos.

Na época em que os homens viviam em cavernas, comiam grãos triturados com os dentes. Uma mente brilhante teve a idéia de moê-los com pedra, misturar água e secá-los no fogo por duas vezes, com o objetivo de conservá-los por mais tempo. Biscoito foi o nome dado a esse pão, crocante e quebradiço.

A origem da palavra biscoito está em duas palavras francesas: "bis" e "coctus", que significam cozido duas vezes.
Segundo historiadores, os gregos juntaram mel (uma vez que o açúcar ainda não era conhecido), leite e canela à receita do pão egípcio, criando assim biscoitos deliciosos. Na época, o especialista em fabricar biscoitos era em geral um escravo, e a receita era passada de geração em geração entre eles. O especialista em biscoitos era considerado um escravo de luxo: podia ser comprado, alugado ou tomado à força, dependendo de sua habilidade.

Os romanos contribuíram, projetando e construindo fornos, tornando assim os biscoitos mais crocantes.

Os árabes, mestres na arte de combinar ingredientes e especiarias, traziam consigo enormes potes de barro com biscoitos, no momento da invasão da Península Ibérica.

Na época dos grandes descobrimentos e das sofridas viagens marítimas, os biscoitos eram a base da alimentação dos marinheiros das caravelas. Sua consistência era extremamente dura, para que durassem meses e para saboreá-los era preciso molhá-los na sopa ou no chá.

O biscoito começou a tornar-se popular na Europa em meados do século XVII, quando adicionaram essências, chocolate ou chás, para criar novos sabores e estimular sua venda. Com as novas criações houve um súbito crescimento no comércio de biscoitos, o que fez com que novos métodos de fabricação fossem criados. Era o inicio de sua industrialização.

Dos paises europeus, a Inglaterra destacou-se mundialmente na fabricação de biscoito. Era um dos grandes produtores, fabricava vários tipos muito saborosos e procurados. Com a grande procura, começou a exportar o produto para suas colônias, chegando aos Estados Unidos.

A princípio, os Estados Unidos não tinham equipamentos necessários para fabricá-los e ao perceber a possibilidade de crescimento econômico neste setor, instalaram rapidamente suas industrias de biscoito. Estava assim determinado o declínio das importações de biscoitos ingleses e o início da indústria norte-americana no segmento. Seu crescimento se fez de forma acelerada e até o nome 'biscuit' foi substituído por 'cookies'.

O mais famoso dos biscoitos foi criado em 1874, para comemorar as bodas da duquesa Maria Alexandrovna da Rússia com o Duque de Edimburgo. O casamento foi realizado em 23 de Janeiro de 1874. A cerimônia foi realizada no palácio de inverno em São Petersburgo. Para comemorar a ocasião, uma pequena padaria inglesa criou o hoje internacionalmente conhecido biscoito Maria, com o nome da Grã-Duquesa escrito sobre ele. O casamento, no entanto, não foi feliz, e a esposa era vista pela sociedade de Londres como arrogante.

O biscoito Maria na sua saga pela Europa tornou-se parte integrante da cultura nacional espanhola. Durante os anos da guerra civil, a Espanha mergulhou em uma pobreza profunda. Quando a guerra terminou em 1939 a prioridade era que cada cidadão tivesse pão suficiente. Dedicaram-se à lavoura do trigo e as colheitas foram abundantes. Com os excedentes de trigo os padeiros despejaram no mercado grandes quantidades de caixas de biscoito Maria. Foi considerado símbolo da prosperidade na economia e sinal da recuperação do país.

Atualmente contamos com uma enorme diversidade de biscoitos, entre doces e salgados, com uma indústria altamente especializada, e um total controle de qualidade. Seu mercado está dentro de um processo de sofisticação e desenvolvimento.

Presentear com biscoitos dá um toque de elegância.


Sueli Carrasco
sueli.carrasco@uol.com.br


Fontes:

Origem do Biscoito: da pré-história até os dias de hoje
Disponível em: http://www.mrbey.com.br
Acessado em: 5/02/2011

Analogia da bolacha e da Maria
Disponível em: http://www.bolacha Maria.blog.sapo.pt/
Acessado em: 5/02/2011

MONTEIRO, Eliandra - História da bolacha Maria
Disponível em: http://www.slideshare.net/complementoindireto/ahistoria-da-bolacha-maria
Acessado em: 15/02/2011

Maria (bolacha)
Disponível em: http://pt.wikipedis.org/wiki/Maria_(bolacha)
Acessado em: 15/02/2011

 
Edições Anteriores
Edição Nº 29
 
 
by DTI - Núcleo de Mídias Digitais * Os artigos publicados no jornal Maturidades são de inteira responsabilidade dos autores (que exprimem suas opiniões e assinam seus artigos) devendo ser encaminhada a estes toda e qualquer sugestão, crítica ou pedido de retratação.