Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A intervenção psicanalítica na clínica com bebês.

Silze Costa*

A clínica de bebês apresenta diversos desafios e nos coloca frente àqueles sujeitos na condição de infans, palavra que etimologicamente significa aqueles que ainda não adquiriram a fala, porém, de acordo com Parlato-Oliveira, (2011), o bebê apresenta formas específicas de comunicação com o outro desde o nascimento, dessa forma, não se pode reduzir o bebê a um organismo reagente aos estímulos externos.

Quando nasce um bebê, este necessita de um Outro que cuide dele, tanto para sua sobrevivência quanto para sua constituição psíquica, e nesse tempo do bebê podemos observar uma condição que confere uma “permeabilidade ao significante” (Jerusalinsky, 1984), permeabilidade essa que possibilitará que inscrições possam se fazer. “O Outro é o lugar em que se situa a cadeia do significante que comanda que tudo vai poder presentificar-se do sujeito, é o campo desse vivo onde o sujeito tem que aparecer. E é do lado desse vivo, chamado à subjetividade, que se manifesta essencialmente a pulsão”(Lacan, 1964-1988).

De acordo com Neves e Vorcaro (2010), muitas vezes encontram-se “fraturas” no tempo de estruturação subjetiva da criança, devido a dificuldades encontradas na relação com o agente cuidador. Vale ressaltar que Lacan (1969) coloca que a constituição do sujeito só se faz porque o amor, o investimento libidinal, dirigido ao bebê não é anônimo. É o desejo endereçado a esse bebê que permitirá que ele se posicione diante do outro.

Pesquisas apontam que até pouco tempo as patologias graves só podiam ser detectadas a partir de dois anos e meio da criança, porém, de acordo com BARON-COHEN e cols. (1992), já existe essa possibilidade aos 18 meses e para LAZNIK (1999), até mesmo mais cedo, aos 4 meses, onde já é possível verificar sinais de risco de autismo por meio do protocolo PREAUT, que colocará como possíveis sinais de evolução autística não somente a recusa do olhar desse bebê, mas principalmente, o fracasso do terceiro tempo do circuito pulsional, quando o bebê já poderia fazer um movimento de convocar o outro. Esses sinais mostram dificuldades no estabelecimento de uma relação com a mãe ou com quem ocupa esta função, de modo que estejam criando obstáculos à subjetivação da criança.

“É preciso aprender a ler os sinais de sofrimento do bebê, não é necessário aguardar a cristalização dos sintomas em um corpo que dá sinais de seu sofrimento para só então intervir” (Catão, I. 2016). Dessa forma, para LAZNIK (2004), o psicanalista tem o papel de intervir precocemente para que as estruturas que suportam o funcionamento do inconsciente sejam instauradas e assim o sujeito possa advir, para isso a escuta e o olhar devem estar orientados às formas expressivas do bebê, considerando-o como ser complexo dotado de competências de estar com o outro e dele interpretar suas intenções.

O analista, quando se dirige a um bebê mesmo sabendo que ali ainda não há um sujeito do inconsciente constituído, confere a esse bebê um estatuto de sujeito antes de seu advento e essa antecipação junto com a capacidade de surpreender-se do Outro primordial foi ressaltada por Laznik como essencial para a constituição do sujeito. Além disso, a fala do analista endereçada ao bebê permite que o cuidador escute que o analista está dando um lugar a esse bebê, o que pode abrir uma possibilidade de que seja feito um furo no saber desse Outro e assim também haja, nesse lugar, uma antecipação de sujeito; é nesse furo do saber do Outro, que o bebê pode se enganchar, aparecendo como sujeito. Nesse sentido da intervenção, o Outro pode (r)estabelecer o laço com o bebê. Pode-se observar que a necessidade da intervenção precoce na clínica de bebês se dá, pois o bebê já apresenta sinais de que algo não vai bem, por isso não podemos chamar de prevenção, mas sim de uma intervenção que se antecipa à estruturação psíquica.

Referências Bibliográficas:

BARON-COHEN, S.; ALLEN, J.; GILLBERG, C. (1992). “Can autism be detected at 18 months? The needle, the haystack, and the CHAT”. The British Journal of Psychiatry, 161 (6) 839-843.

Catão, I. (2016). Detecção Precoce de Sinais Clínicos de Risco para um Desenvolvimento Psíquico Sustentável. In: https://www12.senado.leg.br/institucional/programas/primeira-infancia/artigos/artigos-ano-2016/deteccao-precoce-de-sinais-clinicos-de-risco-para-um-desenvolvimento-psiquico-sustentavel-ines-catao.

Parlato-Oliveira, E. (2011) “A clínica de Linguagem de bebê: um trabalho transdisciplinar.” In, O Bebê e seus Intérpretes: clínica e pesquisa. São Paulo: Instituto Langage Ed., 2011.

Jerusalinsky, A.N. (1984). Psicanalise e autismo. Porto Alegre, RS: Artes Médicas. Laznik, M.-C. (1997) Rumo à palavra. Três crianças autistas em psicanálise. São Paulo: Escuta.

Lacan, J. (1964). “O Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de janeiro: Jorge Zahar Ed, 1988.

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais