Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular

* Ivana Corrêa Tavares Oliveira

Os dados do Censo Escolar apontam um aumento significativo de matrículas de estudantes com deficiência no ensino regular. Em 1990 havia o registro de 200 mil estudantes com deficiência matriculados na educação básica, mas apenas 13% estavam em classes comuns. Em 15 anos, os estudantes com deficiência matriculados na educação básica passaram a 900 mil, com 79% deste público participando das classes regulares. 

A progressiva diminuição do número de matrículas de estudantes com deficiência em escolas especiais se consolidou a medida que a Lei de Diretrizes e Bases 9394/96, em seu artigo 60, orienta a ampliação do atendimento aos estudantes com deficiência preferencialmente na rede regular de ensino. O novo desafio do cenário educacional brasileiro é garantir qualidade e permanência dos estudantes com deficiência no ensino regular, uma vez que o acesso se consolidou com a obrigatoriedade de matrícula dos estudantes com deficiência.

A interlocução da Educação com a área da Saúde faz-se cada vez mais necessária para a inclusão. A qualidade de ensino é atrelada aos processos de promoção de saúde e o olhar do profissional da área da saúde contribuiria para a elaboração, por parte dos educadores, de planos de ação que contemplassem as especificidades de cada estudante, culminando em sua aprendizagem. Mesmo conhecendo os benefícios desta parceria, ainda não estão contempladas na legislação estratégias de participação efetiva de profissionais da área da saúde na elaboração de planos de ação dos estudantes com deficiência no ensino regular.

Para compreender melhor como o Conselho Nacional de Educação e a Câmara de Educação Básica estrutura esta parceria faz-se necessário revisitar a Resolução nº4, de 2 de outubro de 2009 que institui as Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) na Educação Básica. Especificamente em seu artigo 9, é descrito que a elaboração do plano de atendimento aos alunos com deficiência é de competência dos professores que atuam na sala de recursos multifuncionais ou centros de AEE, em articulação com os demais professores do ensino regular, com a participação das famílias e em interface com os demais serviços setoriais da saúde, da assistência social, entre outros necessários ao estudante.

Ao interpretar o artigo acima, compreende-se que a atuação dos profissionais da saúde na elaboração de planos de atendimento deveria estar contemplada na realidade das escolas brasileiras, como equipes de apoio ao processo de inclusão de estudantes com deficiência. Mas como não há obrigatoriedade prescrita por lei para que os sistemas de ensino se organizem de forma que promovam essa articulação, a realidade parte, muitas vezes, de iniciativas pessoais de professores, familiares e profissionais da saúde em busca desta interlocução.

Há um descompasso entre a legislação e as demandas dos sistemas de ensino, ao definir que a elaboração do AEE deve ser executado pelo professor especialista, considerando outras áreas como meros colaboradores neste processo. Esta lacuna poderia ser solucionada principalmente com investimento orçamentário, privilegiando a elaboração de planos de ação individualizados, dirigidos aos alunos com deficiência e construídos em cooperação com uma equipe composta por um representante do conselho escolar local, profissionais da saúde ‒fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogo, entre outros ‒ professores especialistas, gestores, professores, pais e o próprio discente. A responsabilidade na formulação do AEE seria de todos no desenvolvimento de habilidades e competências do aluno, além de definir, em consonância com os pais, os cuidados de saúde e de sua formação.

 

BRASIL. Dados do Censo Escolar indicam aumento de matrícula de alunos com deficiência. [S.l.], 23 mar. 2015. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/03/dados-do-censo-escolar-indicam-aumento-de-matriculas-de-alunos-com-deficiencia>. Acesso em: 07 maio 2016.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em: 05 maio de 2016.

BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf >. Acesso em: 05 maio de 2016.

SISTEMA DE CONSELHO DE FONOAUDIOLOGIA (CREFONO) (Orgs.)Atuação do fonoaudiólogo educacional. Guia norteador. Brasília, 2016. Disponível em: <http://www.crefono6.org.br/arquivos/site/campanhas/guia-norteador-grafica.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2016.

 

*Mestre em Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP / Professora Regente de Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão – SAAI, pela Prefeitura Municipal de São Paulo - PMSP

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais