Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial

        A política de educação inclusiva é um tema sempre presente na rotina dos professores, pais e crianças com necessidades especiais. A forma como ocorre a complementação da formação dos professores é sempre discutida, visto que se deve considerar aspectos sociais, econômicos e culturais dos envolvidos.

        A Secretaria de Educação Especial divulgou, em 2007, o Manual “Formação Continuada a Distância de professores para o atendimento Educacional especializado”, em que oferece fundamentos básicos para os professores que atuam em escolas publicas com o objetivo da implementação da educação inclusiva para pessoas com surdez.

        O Manual abrange informação sobre a educação escolar para pessoas com surdez, as tendências educacionais relacionadas, propostas inclusivas didático-pedagógicas e o papel do intérprete escolar. A falta de estímulo adequado ao surdo pode ocasionar prejuízo dos potenciais cognitivo, sócio-afetivo, linguístico e político-cultural nesta população, além da polêmica relacionada à cultura, à identidade e à comunidade surda, que deve segregar estas questões para dentro e fora das escolas. A inclusão deve ocorrer em todo processo educacional, desde a educação infantil até a educação superior.

        A fim de evitar a segregação cultural, emocional, inter-relacional por meio do aprendizado continuo dos alunos no ambiente em que estão inseridos, deve-se também observar as crianças que utilizam recursos tecnológicos que auxiliam a comunicação, como os Aparelhos de Amplificação Sonora Individual (AASI).

        O AASI é um dispositivo eletrônico que aumenta e altera os sons com a finalidade de melhorar a comunicação, a audibilidade dos sons de menor intensidade e reduzir ou tentar diminuir as limitações decorrentes da perda auditiva (Almeida, 2009). Basicamente, este dispositivo é composto por microfone, receptor e pilha, fonte de energia para o aparelho (Teixeira e Garcez, 2012).

        O professor, para auxiliar o seu aluno deficiente auditivo na sala de aula, pode conhecer esse dispositivo de forma ampla. Deve solicitar algumas orientações ao terapeuta (fonoaudiólogo) da criança, segundo Bevilacqua e Fomigoni (1998):

  • Explicação sobre o audiograma da criança, com o grau de perda e o que essa perda de audição representa para o desenvolvimento, aprendizagem e comunicação da criança.
  • Orientação quanto a estratégias direcionadas à: voz, articulação, atenção e expressões verbais e comportamentais.
  • O posicionamento da criança sentada na sala de aula.
  • A forma de enunciar as ordens à criança: falar na frente e próximo, frases curtas, não exigir ditado de palavras isoladas e em caso do uso de apenas um dispositivo, o professor deve falar na direção deste ouvido.
  • Explicar o uso do Sistema de Frequência Modulado (FM).

        Berro et al (2008) apresentam atitudes que favorecem a inclusão destas crianças:

  • Esclarecer aos demais alunos da sala de aula sobre o dispositivo e o que é a deficiência auditiva;
  • Estimular e incentivar a interação entre todas as crianças;
  • Não privilegiar a criança deficiente auditiva e sim integrá-la em atividades da rotina da sala de aula;
  • Trabalhar em conjunto com o professor da sala de recursos ou o professor itinerante.

        O pensamento da integração ao ambiente escolar deve ser direcionado à todas as crianças, com diferentes tipos de perdas auditivas, não apenas àquelas que utilizam a língua de sinais. Toda e qualquer dificuldade dever ser analisada e adaptada para cada criança. Salienta-se também nesta análise, a integração do reabilitador (fonoaudiólogo) neste processo de inclusão escolar, visto que este pode auxiliar na compreensão das dificuldades manifestadas pela criança em decorrência da deficiência auditiva e uso de estratégias para ajudar o professor na sala de aula.

        A participação da tríade escola x terapeuta x família, não se limita apenas ao processo terapêutico dentro de uma clinica e sim a todo o ambiente e pessoas que estejam envolvidos na inclusão da criança deficiente auditiva.

Amanda Monteiro Magrini
Mestre em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica- SP

REFERÊNCIAS

Almeida, K. Novas tecnologias auditivas voltadas à satisfação do Usuário. In: Berretin- Félix, G; Alvarenga, KF; Caldana, ML; Sant’Ana, NC; Santos, MJD; Santos PRJ. (Re) Habilitação Fonoaudiológica: Audiologia, Linguagem, Motricidade orofacial, Voz e Conteúdo Multidisciplinar. São José dos Campos: Pulso Editorial, 2009.

Bevilacqua, MC; Formigoni, GMP. Audiologia Educacional: uma opção terapêutica para a criança deficiente auditiva. 2 ed. Carapicuiba: Pró-Fono, 1998.

Brasil, Ministério da Educação. Atendimento Educacional Especializado: Pessoa com surdez. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf

Teixeira, AR; Garcez, VRC. Aparelho de Amplificação Sonora Individual: componentes e características eletroacústicas. In: Bevilacqua, MC; Martinez, MAN; Balen, AS; Pupo, AC; Reis, ACMB; Frota, S. Tratado de Audiologia. São Paulo: Santos, 2012.

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais