Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

O retorno à Demóstenes

Gisele Gouvêa da Silva é fonoaudióloga, especialista em Linguagem, Mestre e Doutora em Fonoaudiologia pela PUC-SP

Qualquer fonoaudiólogo que tenha tido, em alguma época, a oportunidade de investigar, na literatura, o caso de Demóstenes e encontrar a luz que este caso pode lançar sobre o seu próprio método de tratamento da gagueira, sobre a posição por ele ocupada como Grande Orador da Antiguidade e por sua nomeação, por muitos, como o pai da Fonoaudiologia, poderá admitir que o método de tratamento para a fala criado por ele não vem recebendo a atenção que merece, em vista do papel que desempenha na invenção da cura de sua gagueira, na transformação de sua posição discursiva, subjetiva e social e na constituição da clínica fonoaudiológica. Os dados históricos recolhidos da escrita biográfica por Plutarco apontam que Demóstenes esteve, desde sua infância, marcado por vivências difíceis. Demóstenes, um sujeito que em sua trajetória de vida, para chegar ao topo do cânon Ático dos Oradores Gregos, teve que engolir diversas rejeições e decepções por causa do mal-estar produzido por sua fala gaguejada. A necessidade de superar a gagueira e desfazer o mal-estar na fala foram fundamentais para que Demóstenes pudesse se consagrar como Orador de Atenas. Foi também o resultado de um investimento de trabalho com o corpo e com a linguagem, para recuperar a sua honra e receber de volta a sua coroa de ouro. Na Fonoaudiologia, ficou conhecido essencialmente por uma prática: falar com pedrinhas na boca. Por incrível que pareça, as contendas que envolvem a história da Fonoaudiologia passam sem um aprofundamento necessário pelo método de Demóstenes, considerado o seu fundador. É difícil escapar à primeira impressão de que o caso de Demóstenes resolve-se simplesmente por um passe de mágica, ao falar com seixos na boca. O famoso mito das pedrinhas na boca que tanto curaram Demóstenes quanto as rolhas, chupetas e línguas de sogra usadas nas intervenções fonoaudiológicas até os dias atuais, são tributárias da criação de uma fundamentação técnica e da invenção da clínica fonoaudiológica tal como a conhecemos hoje. Pode-se verificar a capacidade de sobrevivência das pedrinhas na boca, ainda que revestida de outras aparências, como táticas de tratamento para a gagueira que constituem uma discursividade que remonta à própria tradição histórica da Fonoaudiologia. É comum vincular a mensagem das pedrinhas a diferentes temáticas. Elas encontraram, no seu uso técnico sobre o corpo, uma tática de saber falar nos regimes de terapia fonoaudiológica. A prática de falar com pedrinhas na boca consitituiu um saber. Um saber que pode ter somente funcionado no caso de Demóstenes, ou um saber que funciona em determinadas circunstâncias, ou um saber que nega sua eficácia, ou um saber que anula o seu uso, ou um saber que pode ser usado terapeuticamente em outro caso clínico com semiologia semelhante e diagnóstico distinto e, ainda, um saber brincar e falar com pedrinhas na boca. O enigmático, na mensagem das pedrinhas de Demóstenes, é o truque que não foi contado ou o que não se sabe nessa passagem entre falar com pedrinhas na boca e a instauração de uma discursividade capaz de oferecer uma nova referência sobre a fala.

É certo que nem todos os fonoaudiólogos usam como tática as pedrinhas e suas variantes, em suas clínicas, sem um raciocínio diagnóstico ou uma direção metodológica, nem mesmo há uma hegemonia na área se existe a tal cura da gagueira e principalmente, porque, menos ainda, há quem defenda resolvê-la essencialmente por colocar pedrinhas na boca e pronto, falar! Mas, que poder é esse das pedrinhas – que a elevam a uma potência, a uma situação superior na política da cura da fala? Qual é a mensagem que elas passam no sistema de transmissão da clínica fonoaudiológica? Eis porque, sem uma articulação e interrogação suficiente o método de tratamento de Demóstenes permanecerá como um enigma: falar com pedrinhas na boca. Resta tentar responder ao enigma, dando a ele algum sentido e explicação. O leitor poderá encontrar na Tese de Doutorado - Estrutura Clínica Fonoaudiológica: modelo de articulação sujeito e linguagem na determinação de sintomas fonoaudiológicos, da fonoaudióloga Gisele Gouvêa, os mecanismos do seu método de tratamento para a emergência da clínica fonoaudiológica tal como a conhecemos hoje, pela qual se deduz a experiência prática e os limites da estratégia clínica.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais