Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Educação impossível

Janaina Venezian

Freud (1925) já indicava um problema estrutural relacionado à educação. Para ele, educar - bem como governar e psicanalisar - é uma profissão impossível. Para explicar tal afirmação faremos um breve percurso pela teoria psicanalítica freudiana sobre a sexualidade infantil e sua relação com o saber. Em “Três ensaios sobre a sexualidade” (1905), Freud diz que “De início, a atividade sexual se liga a funções que atendem à finalidade de autopreservação[...]” (Freud, p.186), como o mamar, uma das primeiras experiências de prazer da criança. Em busca deste prazer, da satisfação da zona erógena envolvida, ou satisfação sexual, a criança poderá vir a sugar o dedo, ou ter outras experiências relacionadas a pulsões parciais, derivadas da pulsão sexual: as pulsões oral, anal e escópica. Em função da moral e do próprio eu, ao evitar o desprazer que pode advir destas experiências, tais memórias são recalcadas. Posteriormente, ocorre a construção da genitalidade, momento em que a pulsão sexual dirigirá sua busca a um único objeto, que pode ser qualquer um, sexual ou não. É necessário em um dado momento uma renúncia pulsional do sujeito em prol do processo civilizatório, de estar no laço social (Quinet, 2006), estes objetos ora escolhidos devem ser renunciados e os representantes mentais deles, recalcados. O representante da pulsão reprimida pode ser sublimado, parte dele é recalcada, se torna conteúdo inconsciente e parte dele pode dirigir-se a outros fins que não apenas os sexuais, é aqui que entra a educação. “A pulsão é dita sublimada quando deriva para um alvo não-sexual” (Kupfer, 2000, p.42) Assim, de certa maneira, educar tem relação com reprimir e oferecer outras possibilidades.

Até o momento estamos falando de uma primeira educação, pré-escolar, que possibilita a constituição do sujeito, e opera na relação da criança com os pais ou daqueles que cumprem a função de pai e mãe.

É na fase pré-escolar também que as crianças fazem suas “pesquisas sexuais infantis” (Freud, 1905, p.199), demonstrando um instinto de saber. Teriam origem na descoberta da diferença sexual anatômica entre homem e mulher e, num raciocínio semelhante ao anterior, as curiosidades sexuais são recalcadas e aparecem em perguntas diversas do porquê das coisas, ou seja, aparecem de maneira sublimada; para suas dúvidas constroem teorias sexuais próprias, sendo que a informação fornecida pelos adultos sobre o sexo será interpretada de forma peculiar por cada criança (Freud, 1908). Esta curiosidade sustenta o pensar mesmo posteriormente, na idade escolar e durante toda a vida, pois logo que sabemos a resposta para um enigma, “criamos outros, os porquês não são uma fase, mas um elemento da estrutura da razão humana.” (Voltolini, 2006, p.43)

Sendo assim, por que educar seria impossível? Vejamos o que Kupfer (2000) nos diz: O educador deve promover a sublimação, mas sublimação não se promove por ser inconsciente. Deve-se ilustrar, esclarecer as crianças a respeito da sexualidade, se bem que elas não irão dar ouvidos. O educador deve se reconciliar com a criança que há dentro dele, mas é uma pena que ele tenha se esquecido de como era mesmo essa criança. (p. 50)

Ou seja, a divisão do sujeito entre consciente e inconsciente, que se impõe nas situações exemplificadas por Kupfer e, em tantas outras, torna estas ações da educação impossíveis de serem concluídas plenamente.

A ideia de um sistema inconsciente, formulada por Freud, implica que o homem não possui controle pleno e consciente sobre suas ações, pensamento e fala. Os atos falhos, por exemplo, mostram que o individuo que fala o faz por efeito de seu consciente e também de seu inconsciente. “...não [somos] senhores nem mesmo em nossa própria casa uma vez que não estamos totalmente no comando daquilo que pensamos”. (Voltolini, 2006)

Um outro ponto fundamental que reforça este impossível do educar, é o fato de ser uma profissão que se apoia nas palavras, de origem arbitrária em relação a seu significado, não portando garantia alguma de que aquilo que foi falado será aquilo que foi escutado. Estamos frente à opacidade e a polissemia da linguagem.

O resultado das palavras, explicações e intervenções na escola têm seu objetivo, porém o futuro é impalpável, e assim, impossível de ser previsto. A aposta do professor está sempre sobre um solo de incertezas e, para transmitir seu saber, precisa enfrentar este desafio, criando modos de intervir sobre o inesperado que encontrará em sala de aula.

Apesar de impossível, Freud (1925) diz que os educadores não devem deixar de empenhar-se. O educador “tem o objetivo de orientar e assistir as crianças em seu caminho para diante e protegê-las de se extraviarem” (p.342) Uma maneira de aproximar-se do ato educativo seria aceitar que ao final não estaremos plenamente satisfeitos e que apesar do planejamento, algumas ações serão decididas na hora, como diz Kupfer (1998) “no imprevisto e no improviso”.

Referências bibliográficas

FREUD, S. Três ensaios sobre a sexualidade infantil, 1905. Edição Standart Brasileira das Obras Completas, v. 7, Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. Sobre as teorias sexuais das crianças, 1908. Edição Standart Brasileira das Obras Completas, v. 9, Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. Prefácio à juventude desorientada, de Aichhorn, 1925. Edição Standart Brasileira das Obras Completas, v. 19, Rio de Janeiro: Imago, 1976.

KUPFER, M. C. Desventuras de uma estagiária em Bonneuil. Estilos da clinica, São Paulo, v. 3, n. 4, 1998 . KUPFER, M.C. Freud e a educação – o mestre do impossível. São Paulo: Escuta, 2000.

QUINET, Antonio. Psicose e laço social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

VOLTOLINI, R. Pensar é desejar. In: Revista Educação Especial: Biblioteca do professor, n.1, Freud pensa a educação. São Paulo, Ed. Segmento, pp. 36-45, ago, 2006

* mestre em Fonoaudiologia pela PUC-SP, possui aprimoramento em "Fonoaudiologia nos distúrbios Psiquiátricos da Infância e Adolescência". Atualmente é fonoaudióloga em consultório particular e integra a equipe do “Trapézio - grupo de apoio a escolarização”.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais