Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

O TRABALHO GRUPAL: VISLUMBRANDO NOVOS OLHARES/FAZERES NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

Os achados da literatura apontam para um crescente aumento no número de encaminhamentos, por parte de escolas e centros de saúde, para o atendimento fonoaudiológico de alunos com problemas no problema de alfabetização. (GIRARDELI et al., 2012).

Como forma de transformar essa prática, atuando no campo da educação, o projeto “A Alfabetização e seus Avatares” se propôs a constituir um grupo de professores, tendo como pilar o trabalho em rede como propulsor de novas práticas, novos saberes e fazeres. A intersecção das redes – sujeito, escola e profissionais da saúde – poderia romper sentidos e produzir novas significações sobre o aluno e sobre o próprio professor.

Nesse sentido essa coluna discorrera sobre a concepção de grupo, destacando suas características e princípios norteadores. De acordo com Lane (1986), grupo é um:

[...] processo “natural” e “universal”, reproduzindo a ideologia dominante que define papéis grupais em termos de complementaridade, de produtividade e de coesão, sem que a instituição que os engendra nem suas determinantes históricas sejam consideradas na análise (p.92-93).

Pereira e Zanella (2001) apontam as principais características do grupo:

[...] forma uma nova entidade, com leis e mecanismos próprios; garante, além de uma identidade própria, as identidades específicas; preserva a comunicação; garante espaço, tempo e regras que normatizam a atividade proposta; organiza-se em função de seus membros e esses organizam-se em função do grupo; apresenta duas forças contraditórias, uma tendente à coesão e outra à desintegração; apresenta interação afetiva e distribui posições de modo hierárquico (p.106).

Sendo assim, o grupo revela-se no caráter coletivo. Sua construção implica ações que sejam realizadas pela coletividade, nas quais os resultados configuram-se pelos processos interacionais, nos quais os sujeitos significam seus pares e a si mesmos. Considera-se também a singularidade de cada membro do grupo que foi inicialmente, o que despertou o desejo de atribuir novos sentidos, a partir dos encontros, das histórias, dos acontecimentos e dos desejos.

Outro ponto fundamental ao falarmos de um grupo, é que o mesmo permite o surgimento de uma rede de relações. A troca de experiências e de vivências trazem imbricados os sentimentos e angústias entre cada indivíduo que o compõe. Ele possibilita a construção coletiva de determinado conhecimentos através da troca de diferentes modos de enxergar a realidade. Por meio das discussões, as pessoas se permitem avaliar e repensar os seus comportamentos, opiniões e pensamentos, conhecendo e compreendendo melhor suas relações com o entorno.

Esses sentidos compartilhados refletem a imprevisibilidade do grupo, tendo em vista que ele é ativo e depende do engajamento de todos os participantes, num movimento de escura das diversidades, semelhanças, afetamentos e discordâncias. Portanto, o contato entre a pluralidade de sujeitos, possibilita um movimento particular do grupo que ganha forma e materializa-se de diferentes maneiras, ora na pluralidade, ora na singularidade da coletividade que o constitui.

Parindo dessas discussões e entendendo a escola como sendo um dos espaços sociais da criança, sabemos que o modo como ela absorve as concepções impostas pela sociedade, interfere na forma como ela significa e enfrenta as dificuldades do seu aluno.

Para a construção do grupo de professores o projeto fez parceria com três escolas públicas de São Paulo. Desse convite surgiu uma vertente de trabalho que se dedicou a ouvir os dizeres dos professores sobre a sua prática e sua forma de enfrentamento das vicissitudes da escolarização.

O grupo de professores sustentou-se na realização de reuniões semanais, com a duração de 1 hora. Participaram desta pesquisa sete professores da educação básica, sob a coordenação de três pesquisadores (2 fonoaudiólogas e 1 psicóloga).

O grupo ao longo da sua trajetória se deparou com alguns percalços, muitos deles persistentes até hoje, como por exemplo, a ausência de alguns professores nos encontros e/ou idas esporádica de alguns deles nos encontros; as dificuldades destes em se constituírem como interlocutores; problemas relacionados à interação; a dificuldade no reconhecimento de alguns aspectos relacionados ao processo de alfabetização.

Apesar das dificuldades enfrentadas pelo grupo podemos apontar algumas mudanças, efeitos produzidos com o trabalho grupal, a saber: Muitos dos professores já se constituíram interlocutores no grupo de trabalho; construção de novos olhares lançados ao processo de alfabetização e aos alunos; maior entendimento do que constitui a relação ensino-aprendizagem; engajamento dos professores nas discussões mostrando-se envolvidos no processo, através de algumas propostas de temas e seu posicionamento diante do que esta sendo colocado; construção de confiança no grupo; professores se sentem parceiros nas questões trazidas e colaboram entre si; transformações nas ideias dos professores envolvidos, quanto aos sentidos dados à escola regular, bem como o reconhecimento da importância desse processo para o desenvolvimento da criança.

Ao final da pesquisa conseguimos observar que o trabalho realizado com o grupo de professores foi propulsor de novas práticas, novos saberes e fazeres. A inserção desses profissionais em um espaço de discussão aliado às vivências no contexto escolar pode romper com sentidos e significações cristalizadas dos sujeitos, produzindo novas formas de concebê-los. As mudanças nas queixas escolares tornaram-se possíveis quando novos sentidos foram dados a fala do sujeito, ao próprio sujeito, ao processo de aprendizagem modificando, assim, os efeitos da atuação desses profissionais em suas respectivas instituições de ensino e provocando nestes o desejo em relação à pesquisa na área em que atuam.

Referencias Bibliográficas

GIRARDELI, G.S. et al. Atendimento em fonoaudiologia: estudo de uma clínica-escola na cidade de Curitiba, Paraná. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano 10, nº 34, out/dez 2012.

LANE, S. T. M. O processo grupal. In: CODO, W.; LANE, S. T. M. (Orgs). Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1986b, p.78-98.

PEREIRA, R. S; ZANELLA, A. V. Constituir-se enquanto grupo: a ação de sujeitos na produção do coletivo. Estud Psicol. Natal, v.6,n.1, p.105-114,jan / jun. 2001.

 

 

Bruna de Souza Diógenes
Fonoaudióloga, graduada na Universidade Federal de Sergipe-UFS. Mestrado em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica- SP. Grupo de pesquisa: Alfabetização e Seus Avalares/PUC-SP; Indicadores de saúde e de risco em Fonoaudiologia/PUC-SP. Email:brunadiogenes89@hotmail.com

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais