Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas

        O aumento da produção científica no país tem levado diversas áreas a realizarem periodicamente uma análise das tendências e características de tal produção, enfocando, especialmente, estudos e pesquisas que vem sendo divulgados a partir de sua publicação. Esse tipo de análise permite delinear um panorama histórico da produção do conhecimento numa determinada área e oferece informações necessárias para o seu implemento (CAMPANATTI-OSTIZ, ANDRADE, BARBOSA, 2003; FERREIRA, RUSSO, ADAMI, 2008).

Autores apontam que o desenvolvimento político, cultural e eco­nômico de um país é influenciado pelas inovações científicas e tecnológicas, e a universidade e seus pesquisadores têm papel importante nesse processo de geração do conhecimento científico e na inova­ção tecnológica para auxiliar no desenvolvimento da sociedade (BARROS, SPADACIO, 2011).

A realização de pesquisas está relacio­nada diretamente com ações desenvolvidas em Programas de Pós-graduação, uma vez que dentre as suas missões está presente a capacitação do docente­-pesquisador, figura principal na produção do conhecimento científico e na liderança acadêmica para o ensino (MARCHELI, 2005; DAMASCENO, FRIEDMAN, 2011).

        A produção científica gerada num Programa de Pós-graduação, além de consolidar uma ciência permite delinear tendências e necessidades, linhas de pesquisa além de gerar publicações (BERBERIAN et. al., 2009).

Nesse contexto a Fonoaudiologia vem desenvolvendo estudos que visam analisar a produção do conhecimento, especialmente, a partir de recortes temáticos, tendo em vista que os mesmos possibilitam identificar os domínios de investigação predominantes e, a partir daí, delinear novas propostas de pesquisa e intervenção (MUNHOZ et. al., 2007; CHUN, 2003; RUSSO, FERREIRA, 2004).   

O Programa de Estudos de Pós- Graduação (PEPG) em Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC- SP) completou quatro décadas em 2013, e os projetos desenvolvidos nele estão atrelados a cinco linhas de pesquisa: Audição na criança; Voz, Avaliação e intervenção; Linguagem e subjetividade; Linguagem, corpo e psiquismo e Procedimentos e implicações psicossociais dos distúrbios da audição.

Nas comemorações dos 40 anos, alunos e professores se debruçaram sobre a produção desse programa e, a partir da realização de um estudo retrospectivo transversal foi possível realizar o levantamento de resumos das dissertações e teses defendidas nesses 40 anos de existência do PEPG (1972 – 2012). Todos os resumos estão contidos no site do Programa, e após o levantamento, foram registrados 739 estudos. Esses foram analisados e categorizados em planilha específica, segundo: ano, título, autor, orientador e resumo. Em seguida houve uma segunda análise que classificou os estudos em duas categorias: 1 – Método de pesquisa: Avaliação/Diagnóstico/ Observacional, Intervenção e Revisão de literatura e 2 – Área: Voz, Audição, Linguagem, Motricidade oral, Saúde Coletiva e Métodos clínicos.

Os resultados desse levantamento permitiram constatar que ao longo dos anos houve um aumento expressivo de produções, sendo mais evidenciado nos anos de 2000 e 2001. As áreas mais pesquisadas para produção de dissertações e teses foram, na sequencia, Audição (39,8%), Linguagem oral e leitura e escrita (19,2%), Voz (16,5%) e Métodos clínicos (10,9%), e Motricidade orofacial (6,2%%). A temática mais abordada foi a de Avaliação/Diagnostico/Observacional (50,5%) seguida pela Intervenção (22,3%), Avaliação Diagnóstico Observacional + Intervenção (13,5%) e Revisão de Literatura (9,3%).

Quanto à distribuição das teses e dissertações por áreas e temáticas verificou-se para a temática Avaliação/Diagnóstico/ Observacional que as áreas audição, linguagem oral e leitura/escrita e voz apresentaram o maior número de produções. Para a temática Intervenção destaca-se Audição e Linguagem oral e leitura/escrita e por fim, a temática Revisão de literatura apresenta com maior número de produções a área de Linguagem oral e leitura/escrita.

Atualmente, no PEPG em Fonoaudiologia esse crescimento se mantém contínuo em todas as áreas investigadas, exceto em motricidade orofacial. Este dado pode ser justificado pela ausência da linha de pesquisa no programa.

Por fim, ressalta-se a importância de trabalhos dessa natureza, uma vez que favorecem o implemento da produção do conhecimento, pois, além de permitir a apreensão de parte do estado da arte de um determinado campo do conhecimento, evidenciam aspectos que podem ser aperfeiçoados (CAMPANATTI-OSTIZ, ANDRADE, 2005a/2005b; FREIRE, PASSOS, 2005).

 

Bruna de Souza Diógenes
Fonoaudióloga, graduada na Universidade Federal de Sergipe-UFS. Mestrado em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica- SP. Grupo de pesquisa: Alfabetização e Seus Avatares/PUC-SP; Indicadores de saúde e de risco em Fonoaudiologia/PUC-SP. Email:brunadiogenes89@hotmail.com

REFERÊNCIAS

BARROS N.F, SPADACIO C. A formação do pós-graduando no mundo contemporâneo no cotidiano da pesquisa. Saúde Soc. 2011; 20(1):50-6.

BERBERIAN AP, KRUGER S, GUARINELLO AC, MASSI GA. A pro­dução do conhecimento em fonoaudiologia em comunicação suplementar e/ou alternativa: análise de periódicos. Rev CEFAC. 2009; 11(supl 1):258-66.

CAMPANATTI-OSTIZ H, ANDRADE CRF, BARBOSA MA. Considerações teóricas sobre a escolha de descritores na área de fonoaudiologia. Pró-Fono. 2003; 15(2):211-8.

CAMPANATTI-OSTIZ H, ANDRADE CRF. Periódicos nacionais em fonoaudiologia: caracterização estrutural. R. Soc. Bras. Fonoaudiol., São Paulo, v. 10, n. 3, p. 147-154, jun.-set. 2005a.

CAMPANATTI-OSTIZ H, ANDRADE CRF. Periódicos nacionais em fonoaudiologia: caracterização de termos. R. Fonoaudiol. Bras., Brasília, v. 3, n. 1, p. 1- 4, jun.-set. 2005b.

DAMASCENO WA, FRIEDMAN S. Análise da produção científica fonoaudiológica nacional sobre gagueira. Rev CEFAC. 2011; 13(1):41-7.

FERREIRA LP, RUSSO ICP, ADAMI F. Fonoaudiólogos doutores no Brasil: perfil da formação no período de 1976 a 2008. Pró- fono Revista Atualizada Científica. 2010, 22 (2): 89-94.

FREIRE RM, PASSOS MC, Uma análise da produção de conhecimento no interior do PEPG em Fonoaudiologia: de sua fundação até o novo milênio. Revista Distúrbios da Comunicação, São Paulo. 2005;17(1):37-43.

Marcheli OS. Formação de doutores no Brasil e no mundo: algumas comparações. RBPG. 2005; 2(3):7-29.

Munhoz CMA, Massi G, Berberian AP, Giroto CRM, Guarinello AC. Análise da produção científica nacional fonoaudiológica acerca da linguagem escrita. Pró-Fono. 2007; 19(3):249-58.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais