Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação

Sofia Nery Lieber

O tema aquisição de linguagem nos exige articular muitos conceitos e áreas diferentes, uma vez que a fala de crianças passa por muitas mudanças nos primeiros anos de vida, colocando enigmas e obstáculos aos estudiosos desse campo.

Diferentemente de outros animais, o ser humano se constitui na e pela linguagem, sendo por meio dela, capaz de se interrogar sobre o mundo, transformando-o. Alguns estudiosos acreditam que a linguagem humana é diferente da comunicação animal porque: se refere às coisas na ausência delas, falamos sobre o passado e o futuro, de coisas imaginadas e impossíveis de serem realizadas.

Para o Interacionismo em aquisição de inguagem, cuja principal represnetante é Claudia De Lemos, a linguagem divide o Homem, estruturando dois sistemas que nele operam: o inconsciente e o consciente. Isso ocorre na relação entre o bebê, seu cuidador e a linguagem, que é anterior a eles. Levando em conta que os laços sociais entre os homens acontecem por meio da linguagem, que organiza o mundo e a cultura humana e que há um grande desamparo do ser humano em seu nascimento, já que ele não consegue fazer praticamente nada sozinho, é nos cuidados diários dele por um adulto (na hora da alimentação, do banho, das brincadeiras, etc) geralmente a mãe ou quem faz a função materna, que ele vai sendo lido, interpretado e antecipado como um sujeito pelo Outro.

É dessa forma e nesse contexto que há a passagem do organismo biológico à cultura ou ao registo simbólico/linguagem. Em outras palavras, é nesse contexto que o grito, os sorrisos, olhares e movimentos do bebê são interpretados, tendo como base as experiências vividas, crenças e valores do agente cuidador, que elege, inconscientemente, alguns significantes que irão representar o bebê para ele nas mais diversas interações cotidianas. De acordo com Vorcaro (1997), “o campo simbólico (linguagem) que precede o neonato recorta sua condição de real ao torná-lo representável no campo do semelhante”.

Para a Psicanálise Lacaniana e para De Lemos (1992), a linguagem, sempre anterior ao infans, o captura e aliena, fazendo-o perder o puro vivente, o organismo puramente orgânico e suas necessidades, dividindo-o entre o real do corpo e a demanda, sempre suposta, que vem de fora, do Outro, já que é ele quem interpreta esse organismo recém-nascido. Essa ideia de organismo puramente biológico será recalcada, esquecida e é isso que irá dividir o ser humano entre a consciência e o inconsciente. Recalque, para a Psicanálise, é uma ideia ou sensação que foi esquecida pela consciência porque era desagradável, proibida, incômoda, mas que continua presente, no inconsciente, e aparece em nós de forma velada e distorcida nos sonhos, lapsos, chistes e atos falhos.

Em um dado momento, nos cuidados com o bebê, o adulto se antecipa ou demora a interpretar as manifestações do bebê e a atendê-las, de modo que isso instaura uma falta, uma perda de algo que não conseguimos nomear exatamente. O bebê percebe que não é o que completa esse outro e percebe que o outro também é faltoso, por estar submetido às leis da linguagem e terá que fazer uma escolha entre continuar submisso às interpretações, continuar a ser o que falta ao outro ou se separar dele, o que nunca acontece de forma total e completa, interpretando as coisas do seu modo, mesmo tendo como referência as pessoas de seu convívio e o que elas falam.

Portanto, existe uma forte relação corpo-linguagem no ser humano e ela é permeada de conflitos e angústias, já que “a hiância real, que faz do grito um significante do apelo no sujeito inconstituído, e da resposta um significante que não basta, torna o apelo claudicante e abre assim a realidade à significação da coisa” (Vorcaro, 1997). Essa significação que só acontece no campo da linguagem e por meio dela, nunca sendo fixa, havendo sempre ambiguidades, equívocos e mal-entendidos, tendo sempre, consequentemente, que ser suposta e portanto interpretada, a depender das relações entre as diversas significações que nos rodeiam a todo instante.

Referências Biliográficas:
Vorcaro, A.M.R. Sob a vigência da linguagem: uma aproximação à clínica psicanalítica de crianças. Tese de Doutorado. IEL-UNICAMP, 1997.
Sofia Nery Liber é Psicóloga e Psicanalista, mestranda em Fonoaudiologia pela PUC-SP, na linha de pesquisa de Linguagem e Subjetividade

 

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais