Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a Educação Infantil e as Séries Iniciais

Ser professor no Brasil se constitui em uma profissão cuja formação tem sido permeada de percalços, devido à constantes mudanças curriculares. Segundo Saviani (2008), essas mudanças espelham aspectos históricos e teóricos do contexto educacional brasileiro, desde a independência, quando se cogitou a organização da instrução popular, até o momento  atual em que as questões pedagógicas estão em articulação com as transformações que se processam na sociedade.  Vejamos como as mudanças mais recentes afetaram o currículo para os segmentos: Educação Infantil e Séries Iniciais.

Segundo Cassiano (2011), em 2000 foi criado o curso Normal Superior com o objetivo de formar professores que atendessem as necessidades específicas das crianças das Séries Iniciais do Ensino Fundamental e Educação Infantil. Antes dessa data, este profissional era formado no Ensino Médio, o antigo Magistério. Inicia-se uma discussão sobre o decreto publicado em 1999, que regulamenta essa medida como obrigatória, gerando embates por cerca de um ano, pois as universidades e os centros universitários que tinham autonomia para gerir seus cursos e já ofereciam o curso de Pedagogia, se negaram a regulamentar o Normal Superior. Entendiam que o mesmo seria um retrocesso na formação do profissional da educação.

Em agosto daquele mesmo ano, depois de muita pressão, foi publicado outro decreto substituindo o termo "exclusivamente" por "preferencialmente" , o que permitia que a formação de professores de séries iniciais fosse feita tanto pelo curso Normal Superior como pelos cursos de Pedagogia. As universidades, por sua vez, habilitavam os professores para as séries iniciais sem as disciplinas específicas da Educação Infantil que permaneciam a cargo do curso Normal Superior. Consequentemente a essa mudança na legislação, os futuros professores passaram a optar pelo curso superior de Pedagogia que os habilitaria a lecionar algumas disciplinas para o ensino fundamental II (6º ao 9º anos e ensino médio), além de prepará-los para assumir cargos de gestores - coordenadores-pedagógicos, vice-diretores, diretores, supervisores - entre outros cargos.

Em 2005, com as novas Diretrizes Curriculares Nacionais que exigiram que o currículo de Pedagogia abrangesse uma formação que  habilitasse o futuro professor para a docência, a gestão, a pesquisa, a avaliação de sistemas e instituições de ensino em geral e a elaboração, a execução, o acompanhamento de programas e atividades educativas, o curso Normal Superior passa a não fazer mais sentido, uma vez que terá que se adaptar às exigências curriculares do curso de Pedagogia. Não houve qualquer decreto que determinasse o seu fim, mas o fato de que este habilitava o futuro professor apenas para a Educação Infantil e para as Séries Iniciais, enquanto a Pedagogia assegurava estas mas, também, a formação para os cargos de gestão e ensino fundamental II e médio, afastou possíveis alunos e inviabilizou sua operacionalização.

São muitos os dilemas que o educador enfrenta para ser, na prática, professor em sala de aula, confrontando-se com as dimensões, social, financeira, cognitivo motora de seus discentes e com o contexto social e político da educação. Então, como sugere Saviani (2008) é urgente: “...o momento de organizar grupos de ensino nas diferentes disciplinas dos currículos escolares que aglutinem docentes das Faculdades de Educação e das outras unidades acadêmicas em torno de projetos de ensino que configuram as novas licenciaturas”. (p.152)

As constantes mudanças na legislação por meio de decretos, portarias e outras imposições político partidárias tem prejudicado, de modo geral, tanto a organização do currículo para a formação do professor como também para sua formação continuada. Saviani (2008)  afirma que o  fato de, em nossas universidades, prevalecer o modelo napoleônico, voltado mais para a  formação do especialista e estando centrado nos conteúdos culturais-cognitivos e dispensando pouca preocupação com o preparo didático-pedagógico, favorece uma formação que se esgota na cultura geral e no domínio específico dos conteúdos da área do conhecimento correspondente à disciplina específica que irá lecionar em detrimento a toda uma prática pedagógica, ou seja, colaborou para uma certa depreciação dos aspectos pedagógicos. Nesse modelo apresentado pelo autor, ponho-me a questionar se poderia ter surgido dessa problemática referente a falta de práticas na formação do profissional, isto é, o preparo didático pedagógico das disciplinas específicas nos cursos oferecidos de Pedagogia, que motivou toda aquela ação para institucionalizar o curso Normal Superior, talvez, com o objetivo,  de minimizar essa falta na formação inicial do professor? Porque para lecionar um professor especialista precisará, apenas, de uma licenciatura em sua área de conhecimento.

Saviani (op.cit) alerta-nos também para o oposto, ou seja, os riscos da formação em nível superior de professores para a Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental. A predominância do modelo pedagógico-didático e dos aspectos do conteúdo e da forma que caracterizam o processo de ensino, se contrapõem, já que por um lado, os futuros professores poderiam adquirir, nos cursos formativos de nível superior, um preparo profissional mais consistente, alicerçado  em uma sólida cultura pedagógica enquanto, por outro lado, haveria o risco de que essa formação fosse neutralizada pela força do modelo dos conteúdos culturais cognitivos, em que as exigências pedagógicas tenderiam a ser secundarizadas. Isto ocasionaria uma dificuldade para atender as necessidades específicas das crianças que abrangem os segmentos infantil e séries iniciais. Um outro risco se instala quando se consagra no nível do ensino superior uma estrutura que acopla os dois aspectos do processo de ensino referidos, considerados competências de duas unidades universitárias distintas que se justapõem na tarefa de formar os novos professores. Dessa forma, o preparo pedagógico-didático fica a cargo dos Institutos de Educação e o domínio dos conteúdos específicos da área a cargo das faculdades de Pedagogia.

O que teria sido melhor para os discentes? Questões como estas se beneficiariam das discussões interdisciplinares que ocorrem em projetos como “A Alfabetização e Seus Avatares”, uma parceria CAPES/OBEDUC e Pontifica Universidade Católica em São Paulo, cujos pesquisadores são fonoaudiólogos, psicólogos e professores que, juntos, tratam de temas pertinentes à educação buscando novas discussões para as práticas didático pedagógicas. 

REFERÊNCIAS

BRASIL.  (1996).  Lei  nº.  9394/96.  Estabelece  as  Diretrizes  e  Bases  da  Educação  Nacional. 

________. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer nº 5/2005. Aprova as 

Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. 

________.  CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO.   Resolução  1 /2 0 0 6.  Institui  Diretrizes  Curriculares  Nacionais  para  o  Curso  de  Graduação  em  Pedagogia  ­  licenciatura. Maio de 2006. 

CASSIANO, C. O que era normal ficou superior? Revista Educação-09/2011.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro, 2008.

 

 

Silvana Soares
Pedagoga pela Universidade Nove de Julho
Bolsista do Projeto Alfabetização e Seus Avatares – CAPES/PUC-SP

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais