Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Leitura e movimentos oculares

A leitura é um processo multissensorial, e durante sua realização diversos processos estão envolvidos, entre eles: percepção visual, movimento ocular, associação viso-auditiva, reconhecimento auditivo, processamento fonológico, memória visual e auditiva, expressão oral e processos verbais superiores.

A leitura também é um processo dinâmico no qual os olhos realizam movimentos para extrair informações para a compreensão. Nesse momento, os olhos realizam movimentos de fixação, com períodos com olhos estáveis, examinando uma pequena área do estímulo e movimentos sacádicos ou sacadas, movimentos rápidos saltando de um ponto a outro para fixar a imagem sobre a fóvea (região central dos olhos). Esses movimentos dos olhos mudam em leitores mais ou menos eficientes, sendo que nos leitores iniciantes são observadas fixações mais longas e sacadas mais curtas, refletindo a imaturidade na leitura.

A fixação acontece somente sobre algumas palavras do texto, sendo que as palavras curtas com duas a três letras (aproximadamente 30% das palavras de um texto) são geralmente omitidas. Entre essas pequenas palavras gramaticais, constam auxiliares, pronomes, conjunções, preposições ou artigos que são quase sempre puladas. Quase todas as outras palavras essenciais de conteúdo da frase, como nomes, verbos, adjetivos, advérbios, devem ser fixados pelo olhar. Entretanto, não há fixação em cima da palavra, pois ela é “pulada” por meio de uma sacada mais longa, processo conhecido como word skipping. Nesse momento, os olhos preferencialmente fixam perto do início das palavras ou no espaço em frente a elas. Por outro lado, palavras maiores podem ser fixadas mais de uma vez. Embora nem todas as palavras sejam fixadas, todas recebem algum tipo de processamento visual, pois se as palavras não fixadas durante a leitura de uma frase forem excluídas e a frase for apresentada novamente, o texto se tornará incompreensível para esse leitor. No entanto, palavras que foram puladas podem ser lidas posteriormente através de sacadas regressivas, que consistem em movimentos sacádicos realizados no sentido oposto ao sentido da leitura. Desta forma, em línguas como o Português, em que a leitura ocorre da esquerda para a direita, sacadas regressivas são dirigidas à esquerda da fixação. Esses movimentos tem como função refixar a palavra. Servem como uma forma de conferir uma palavra que foi pulada ou que não foi compreendida. Entretanto, sacadas muito curtas em uma mesma palavra denotam um problema no posicionamento da fixação, enquanto as muito longas mostram dificuldade no processamento da palavra. Os leitores mais jovens realizam frequentemente mais refixações.

Durante a leitura fluente, sacadas movem os olhos para que a palavra possa ser centrada na retina de modo que possa ser mais processada de forma eficaz. No entanto, tanto o comprimento quanto a duração da fixação da sacada, variam consideravelmente de palavra a palavra. A localização das fixações dos olhos dentro das palavras não é aleatória, há um local de observação preferido. Os olhos dos leitores tendem a pousar em algum lugar entre o meio e o início da palavra. Além disso, para longas palavras, os leitores inicialmente fixam perto do início da palavra ou em algum lugar entre o meio e o início das palavras e, em seguida, fazem um refixação perto do fim da palavra. A análise do padrão do movimento ocular ajuda a diferenciar leitores competentes daqueles com dificuldades de leitura. Isso porque o comportamento do movimento dos olhos muda em leitores mais ou menos eficientes. Leitores menos especializados (leitores iniciantes ou pouco eficientes) normalmente têm fixações mais longas, sacadas mais curtas e fazem mais fixações e regressões do que leitores hábeis. Bons leitores têm sucesso em fazer sacadas precisamente para a parte do texto que lhes tenha causado problemas de interpretação, enquanto maus leitores fazem pequenas sacadas regressivas para encontrar o alvo de suas dificuldades.

A maior familiaridade com a palavra, assim como a maior previsibilidade contextual, leva à diminuição na duração e no número de fixações. Por isso, crianças em séries iniciais tendem a ler de forma mais lenta.

Fontes:

Blythe HI, Liversedge SP, Joseph HSSL, White SJ, Rayner K. Visual information capture during fixations in reading for children and adults. Vision Research. 2009;49:1583–1591.

Engbert R; Kliegl R. Noise-enhanced performance in Reading. Neurocomputing. 2003;50:473-78.

Etchepareborda MC. La intervención en los trastornos disléxicos: entrenamiento de la conciencia fonológica. Rev Neurol. 2003;36(Supl 1):S13-S19.

Macedo EC, Capovilla FC, Nikaedo CC, Orsati FT, Lukasova K, Capovilla AGS, Diana Diana C. Teleavaliação da habilidade de leitura no ensino infantil e fundamental. Psicologia Escolar e Educacional. 2005;9(1):127-34

Macedo EC, Lukasova K, Yokomizo JE, Ariente LC, Koakutu J, Schwartzman JS. Processos perceptuais e cognitivos na leitura de palavras: propriedades dos movimentos oculares. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 2007;11(2):275-83.

Monaghan J, Ellis AW. Age of acquisition and the completeness of phonological representations. Reading and Writing. 2002;15:759-88.

Murray WS, Kennedy A. Spatial coding in the processing of anaphor by good and poor readers: evidence from eye movement analyses. Quarterly Journal of Experimental Psychology. 1988;40A: 693-718.

Rayner K. Eye movement in reading and information processing: 20 years of research. Psychol Bull.1998;124:372-422.

Starr MS, Rayner K. Eye movements during reading: some current controversies. Trends in Cognitive Sciences. 2001;5(4):156-63.

Yokomizo JE, Fonteles DSR, Lukasova K, Macedo EC. Movimentos sacádicos durante leitura de texto em crianças e universitários bons leitores. O Mundo da Saúde São Paulo. 2008:32(2):131-38.

Michele Picanço do Carmo
Fonoaudióloga. Doutoranda em Clínica Fonoaudiológica (PUC-SP), Mestre em Clínica Fonoaudiológica (PUC-SP), Especialista em Audiologia e Disfagia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia.

 

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais