Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A posição do aprendiz no discurso dos professores

Desde a década de 1990, a Educação tem sido tema de relevância no Brasil e o fonoaudiólogo passa a fazer parte de discussões para enfrentar as questões relacionadas ao fracasso escolar e à inclusão. Partindo do pressuposto de que a posição do aprendiz no discurso dos professores gera efeitos na alfabetização, este estudo se propôs a analisar a posição que o aprendiz ocupa no discurso dos professores e seus desdobramentos: que discurso é esse? Quais seus efeitos? Há relações subjetivas entre a posição que o aluno ocupa no discurso dos professores e a constituição do sujeito na/ pela escrita?

Esta pesquisa é de caráter qualitativo. A coleta de dados foi feita com um grupo de professores de uma escola do estado de São Paulo, durante a atividade de Formação Continuada. Os dados discursivos coletados por gravação e transcritos foram analisados à luz da Análise de Discurso de linha francesa.

A análise dos dados permitiu-nos identificar:

  • O assujeitamento do professor à ideologia dominante do discurso pedagógico caracterizado por um discurso autoritário, institucionalizado, não havendo um posicionamento singular do professor;
  • A ideologia dos professores sobre o que seja a linguagem, a aquisição da fala e da escrita;
  • A posição de aprendiz ocupada pelo professor.

Diante disso, deparamo-nos com um professor desvalorizado e desamparado, que se considera incapaz como consequência de sua posição discursiva de “não saber” decorrente de vários fatores, dentre eles: da entrada de diversos profissionais na escola que ocuparam o espaço do professor para instrumentalizá-lo; do estabelecimento de aulas para que o professor assista, como na atividade denominada de Aula de Trabalho Pedagógico Coletivo (ATPC); do Curso de Formação Continuada que identifica o professor como alguém que permanece em “formação”, ou seja, nunca está formado; do binômio fracasso social/ fracasso escolar que equipara qualquer aluno a um fracasso social.

Esta análise nos levou a concluir que o professor coloca o aluno em uma dada posição subjetiva de quem não sabe e é incapaz de aprender. Desta posição, o professor não tem como acreditar, apostar e investir no seu aluno, tendo como efeito o fracasso do estudante na escola. Há, portanto, relações subjetivas entre a posição que o aluno ocupa no discurso dos professores e a constituição do sujeito na/ pela escrita.  

Além disso, o professor também é visto nesta posição: de quem “não sabe”, ocupando também o lugar de aprendiz. Entretanto, esta pesquisa nos levou a questionar a posição que o aprendiz toma no discurso. Por haver um incômodo por parte do professor em se ver nesta posição, presente em seus dizeres, pensamos na seguinte questão: seria o aprendiz alguém desprovido de saber?

Ao observarmos que o professor se desloca pouco na estrutura discursiva, pensamos em uma proposta de trabalho fonoaudiológico com ele. Pelo discurso, é possível pensar em uma abertura na fala destes profissionais dado que estamos todos sob os efeitos da fala do outro, e, desta maneira, os professores poderia, ao deslocar-se, ficar sob o efeito de seu próprio saber, afastando-se da ideologia que os desvaloriza e da posição de aprendiz. Esta proposta não se configura em ensinar o professor, nem instrumentalizá-lo, mas contribuir para uma ressignificação do trabalho do professor. Pelo deslocamento do professor na estrutura discursiva, é possível o aluno ser deslocado neste discurso, e, desta forma, deixar de ser um fracasso na escola.

Cinthia F. Gonçalves
Fonoaudióloga Clínica – CRFa 13162
Mestre em Fonoaudiologia

 

Referências Bibliográficas:


ALTHUSSER, L. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa. Presença, 1970

ASSOLINI, F. E. P. Discurso Pedagógico Escolar: condições de produção, interpretação e a emergência da autoria. In: TFOUNI, L. V. Múltiplas Faces da Autoria. Rio Grande do Sul: Ed. Unijuí, 2008

BISCARO, C. O Discurso sobre o Programa de Conservação Auditiva: a ideologia e seus efeitos. São Paulo, 2007. Dissertação de Mestrado. Disponível na internet: http://www.sapientia.pucsp.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=3689

BERBERIAN, A. P. Fonoaudiologia e Educação, um encontro histórico. São Paulo. Plexus editora, 1995

CARDA, M. C. P. e TOMMASIELLO, M. G. C. O que pensam os futuros professores sobre as ATPC – Atividade de Trabalho Pedagógico Coletivo. Disponível na internet: http://www.unimep.br/phpg/mostraacademica/anais/10mostra/5/507.pdf

CASTELLANO, G. B. e FREIRE, R. M. C. A. Análise de Discurso de Sujeitos Disfônicos. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. V. 11. p. 43-51, 2006

CAVALHEIRO, M. T. P. Trajetória e possibilidades de atuação do fonoaudiólogo na escola. In: LAGROTTA, M. G. M., CESAR, C. P. H. A. R. A fonoaudiologia nas instituições. São Paulo: Lovise, 1997

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA, 2 ͣ REGIÃO. Fonoaudiologia na Educação: Políticas Públicas e Atuação do Fonoaudiólogo. Comissão de Educação, 2010

DE LEMOS, C. T. G. Das vicissitudes da fala da criança e de sua investigação. Cad. Est. Ling., Campinas, (42): 41-69. Jan./ Jun., 2002

DUBOIS, J., GIACOMO, M., GUESPIN, L., MARCELLESI, C., MARCELLESI, J. B., MEVEL, J. P. Dicionário de Linguística. São Paulo: Ed. Cultrix Ltda, 1973

GADET, F. e HAK, T. (orgs).  Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux.  Campinas:  Ed. Da Unicamp,  1993/ 1990/ 1969.

GIROTO, C. R. M.  Perspectivas atuais da fonoaudiologia na escola.  São Paulo: Plexus, 2 edição,  2001.

HAROCHE, C.  Fazer Dizer, Querer Dizer.  Trad. Eni P. Orlandi.  São Paulo:  Hucitec, 1992.

KREFTA, S. 2011.  Metodologia de Ensino e Educação infantil: algumas considerações sobre a trajetória da escola infantil no Brasil.  Disponível na internet: http://www.pedagogia.com.br/artigos/metodologiadeensino/index.

ORLANDI, E. P.  A Linguagem e seu funcionamento: as formas do Discurso.  Campinas: Pontes Editora,  2011/ 2003 / 1983.

............................. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes,  2000.

............................. O que é Linguística?  São Paulo:  Brasiliense,  1994/ 1986.

............................. As formas do silêncio.  Campinas: Unicamp, 1992.

............................. Segmentar e recortar.  In Linguística: Questões e controvérsias(pp. 9-27). Série Estudos 10. Publicação do curso de Letras do Centro de Ciências Humanas e Letras das Faculdades Integradas de Uberaba. Uberaba, MG. 1984

PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento.  Trad.: Eni Pulcinelli Orlandi.  São Paulo:  Pontes, 2002/ 1990.

......................... Ler o Arquivo hoje.  In ORLANDI, E. P. (Org.).  Gestos de Leitura: da História no Discurso.  Campinas:  Editora da Unicamp,  1994.

........................... Análise Automática do Discurso (AAD-69) in: GADET, F. e HAK, T. (orgs).  Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Pêcheux. Campinas:  Editora da Unicam, . 1993.

......................... Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio.  Tradução de E. P. Orlandi et alii. Campinas: UNICAMP, 1988.

PÊCHEUX, M. e FUCHS, C.  A propósito da Análise Automática do discurso: Atualização e perspectivas (1975) in: GADET, F. e HAK, T. (orgs.).  Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Pêcheux.  Campinas:  Editora da Unicamp,  1993.

SILVA, A. P. B. V.  Psicogênese da Linguagem Oral e Escrita.  Curitiba:   IESDE Brasil S. A,  2009.

TFOUNI, L. V.  Letramento e Alfabetização.  São Paulo:  Cortez Editora,  2010.

TFOUNI, L.V. e SERRAT, D.M.M.  A escrita em entremeio com a oralidade. Rev. Contextos Linguísticos.  Vitória. V. 6, n. 7. P. 177-195,  2012.

 

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais