Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização

Emilia Ferreiro é importante referência na educação brasileira nos últimos 30 anos. A psicolinguista argentina revolucionou as concepções que existiam no Brasil nos anos 80 no que tange a alfabetização. Seu livro "Reflexão sobre a Alfabetização", de 1981 será objeto desta resenha, mais especificamente o terceiro capítulo, "A representação da linguagem e o processo de Alfabetização”, em que são abordadas as concepções sobre a língua subjacentes à prática docente. Para corroborar e mostrar como sua fala ainda é condizente com o que acontece na sala de aula serão apresentados exemplos das produções de um aluno do 5º ano da rede estadual de São Paulo.

Segundo a autora, nenhuma discussão sobre alfabetização considera as concepções das crianças sobre a escrita. Enfatiza que os métodos são apenas sugestões, sendo assim, não geram o conhecimento. Desta feita, entendemos que a informação e a maneira que ela será mostrada ao aluno, sendo contextualizada, é que concretizará o conhecimento. Além disso, o que parece fácil ao professor pode ser o difícil para o aluno, que não deve ser enxergado como uma "tábua rasa" em que são depositadas as "letras e as palavras, segundo determinado método", mas sim um sujeito de conhecimento.

A análise de Ferreiro mostra que em certas práticas a criança é levada a entender que são as outras pessoas que possuem conhecimento sobre a língua escrita e ela não faz parte dessa construção. Algumas se mostram imutáveis, como por exemplo, a disposição das carteiras na sala de aula, outras veem a criança como sujeito passivo e receptor do conhecimento, sendo nenhuma delas neutra.

A partir de estudos realizados no México, Argentina, Barcelona e Suíça sobre formação de professores, a autora levanta três problemas que considera dificuldades conceituais:

Visão do adulto já alfabetizado quanto à escrita:

Neste primeiro problema é apontado que não há como nos rever feito analfabetos, mas um dia todos fomos, só a evolução psicogenética poderia fazer com que a "visão adultocêntrica" se acabasse, para que assim pudéssemos enxergar sobre a perspectiva de uma criança.

Confusão entre ler e desenhar letras:

Ferreiro analisa as crianças que são "copistas experientes", que conseguem fazer cópias fiéis do que está na lousa ou no livro, entretanto, não entendem o sistema de escrita.

Cabe aqui, a produção do aluno que demonstra o dito pela autora:

Cópia da lousa de um texto – aluno do 5º ano


Sondagem inicial do aluno


Sondagem realizada com o mesmo aluno do 5° ano em período próximo a cópia exemplificada


Analisando as produções do aluno podemos perceber que apesar da cópia estar de acordo com o texto apresentado na lousa, no qual apenas desenha as letras de maneira experiente, ainda não tem o domínio do sistema de escrita, já que na produção do ditado (segundo exemplo) não escreve as palavras corretamente. Vale ressaltar os conhecimentos que verificamos a partir dos exemplos em que a criança representa as palavras apenas por meio de letras e já na segunda produção do ditado, inicia o processo de dar valor sonoro às sílabas.

Redução do conhecimento do leitor ao conhecimento das letras e seu valor sonoro
Em relação ao último problema é utilizado o exemplo de uma dinâmica utilizada na capacitação de professores no México pela autora e por outros estudiosos da área na América do Sul e Europa, em que é entregue a pequenos grupos de adultos materiais contendo escritas de outras línguas (árabe, hebraico, chinês etc). Nesse momento os adultos buscam encontrar nos materiais significados a partir do conhecimento prévio que já possuem e assim, conseguem fazer hipóteses. Quando se faz um paralelo da dinâmica com o que acontece com as crianças, acabam por perceber as dificuldades que os pequenos encontram, pois geralmente não têm esse tipo de conhecimento prévio que o adulto já possui, descobrindo que o conhecimento da língua escrita que possuem não se resume ao conhecimento das letras.

Dando sequência, a autora aborda as concepções da língua escrita e tudo que a envolve com as práticas docentes, verificando se existe a necessidade de ler antes de escrever, opinando que para que a criança compreenda este sistema precisa interpretar e produzir. O método de apresentação da escrita é outro aspecto relevante, segundo Ferreiro, devendo-se levar em consideração a sociedade num todo, uma vez que a escrita não está presente apenas dentro da escola, sendo assim as crianças têm contato com todas as letras de uma vez e não em uma determinada ordem, uma crítica direta ao método sintético de alfabetização que parte do ensinamento de letra por letra na ordem do alfabeto.

Ferreiro conclui o trabalho analisando a necessidade de enxergar a língua escrita como sistema de representação da linguagem, bem como perceber a criança não apenas como "um par de ouvidos, uma mão que pega um instrumento para marcar e um aparelho fonador", mas sim um sujeito que pensa, age e constrói. Não será um novo método a solução que se busca, mas sim a análise de como está sendo apresentada a língua escrita aos pequenos, repensando estes conceitos.

 

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais