Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Uma segunda língua, para quem?

Bem antes de nascer, o bebê já é falado pelo outro – pais, familiares – e ganha vida em seu imaginário. Assim, quando nasce, dizemos que o faz imerso em um banho simbólico, ou seja, rodeado pela linguagem. Seus pais, e os que o rodeiam, falam com ele, por ele, e dele, atribuindo-lhe intenções e interpretando seus murmúrios como desejo de algo, ações estas que o colocam na posição de sujeito.

Assim, ressalta-se que um ponto importante para a constituição da criança é que ela seja falada pelo outro, reconhecida por ele como falante e convidada por ele a responder a suas perguntas, ainda que, como bebê, não fale como os adultos.

Se a mãe fala em uma língua e o pai em outra, isto pode fazer com que a criança, ao começar a falar, misture as duas línguas ou, ainda, fale partes da palavra em uma língua e junte com partes da mesma palavra em outra língua. Isto quer dizer apenas, que ela está sob o efeito dos dizeres de seus pais, não tendo nenhuma conotação negativa.

Portanto, a língua falada com a criança, seja pela mãe, seja pelo pai, é a língua na qual estes imaginarizaram a criança. Em outras palavras, se esta fala lhe é dirigda em uma língua ou em mais de uma língua, pouco importa, desde que ocorra. E, se, por qualquer razão, a mãe abrir mão de sua língua materna por esta ser diferente da do pai ou da do local em que vive, e adotar uma outra língua, sua fala irá soar falsa e dificilmente carregará seus desejos ao se dirigir ao bebê. Portanto, o primeiro passo é falar com o bebê na língua em que o falante - pai e mãe ou substituto - foi falado por seus pais. Alguns chamam a essa língua, a língua afetiva, outros, a língua em que o sujeito foi constituído e outros, ainda, a língua materna.

E então, qual a importância da inserção da criança em uma escola bilíngüe?

E, em que momento isso deve ocorrer?

De forma geral, a criança deve ser colocada em uma escola de línguas depois que mostra certa fluência em sua língua ou seja, quando narra acontecimentos. Isto pode ocorrer entre 2 e 3 anos de idade. Mas, o mais indicado é observar os efeitos desse aprendizado na criança. Se seu processo de aquisição de linguagem parece estagnar depois da entrada da segunda língua, seria indicado retirar a criança da escola e aguardar que ela retome a fluência. Vale, ainda, observar se a criança sente prazer em estar na escolinha de línguas e se aprecia seus amiguinhos. Irritação, choro, tristeza podem indicar que este não é o momento adequado.

Uma criança "aprende" uma segunda língua com mais rapidez que um adulto, assim, lembradas as condições colocadas acima, por volta de 3 a 4 anos, parece um momento mais propício. Mas, cada criança responde a uma situação nova de forma singular e é a isto que os pais devem estar mais atentos e não ao que recomendo, ou aos manuais de desenvolvimento. Deve-se lembrar, finalmente, que o desejo dos pais de que a criança aprenda uma segunda língua é primordial para que ela o faça. Assim, se os pais tem opiniões divergentes, é melhor resolver entre eles antes de matricular a criança na escola bilíngue.

Os benefícios de uma segunda língua, para além dos óbvios - ser uma ferramenta valorizada em um mundo globalizado, favorecer melhores oportunidades de estudo e trabalho, entre outros - está na possibilidade de desenvolver o raciocínio, dado que o simbólico é articulado pela lógica e não pela memória.

Por fim, observar sempre as reações de seu filho à mudanças e buscar um especialista quando tiver dúvidas.

 

Regina Maria Ayres de Camargo Freire
Profa. Titular do Depto. de Clínica Fonoaudiológica da PUC-SP
Coordenadora do projeto A Alfabetização e seus avatares

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais