Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A Inibição na Produção da Escrita

Tentei por inúmeras vezes redigir este texto. Rascunhei, rabisquei e não cheguei a lugar nenhum. Pensei em desistir, mas repensei a minha ideia sobre não ter chegado em lugar algum. Se eu rascunhei e rabisquei significa que alguma linguagem eu transmiti mesmo que não sofisticadamente.
Mas o que poderia estar acontecendo para que eu não escrevesse do modo como pretendia?

Poderíamos enumerar e discutir várias possibilidades para o que me ocorreu ao tentar escrever, escolherei falar sobre uma questão que penso estar implicada quando não nos colocamos à escrever: A Inibição na Produção da Escrita.

Há muito o mundo da escrita me encanta e ao mesmo tempo me angustia, pois colocar no papel as ideias, para mim, nunca foi muito fácil. Os fantasmas das pessoas me atormentavam, pois imaginava o que as pessoas pensariam de mim ou se gostariam do que eu havia escrito. Mas será que essas eram as razões para uma inibição no momento de produzir um texto? Por que a angústia prevalecia e me impedia de continuar nos encantos dessa linguagem, e ainda, por que dentre os diversos lugares possíveis da escrita, eu, justamente, era levada à angústia?

Diversas pessoas têm a mesma dificuldade em relação à escrita, seja em um momento inicial de seu aprendizado ou mesmo os adultos que já passaram por este processo há algum tempo. Não sabem explicar o porquê não conseguem escrever, mas o certo é que ocorre uma restrição parcial ou, às vezes, total dessa produção.
Quais seriam as causas para não conseguir escrever? O que "paralisa" e angustia essa pessoa?

Sigmund Freud tratou dois conceitos fundamentais que podemos articular com a restrição em escrever. Trata-se de angústia e inibição. Esse autor escreveu em Inibições, Sintomas e Angústia (1926) que a angústia é algo que se sente denominando-a como um sentimento com um caráter de desprazer, podendo esse desprazer ser aliviado por atos de descarga. Então, se a escrita for o ato responsável do alívio da tensão, ela poderá gerar prazer, sendo assim "superada" a angústia.

Freud (1926) lança uma pergunta a respeito da função da angústia indagando em que ocasiões ela se reproduz e logo responde que a angústia surgiu, originalmente, como uma reação a um estado de perigo sendo reproduzida sempre que um estado dessa espécie se repete. Nessa perspectiva, faz-nos supor que escrever deva relacionar-se à ideia (inconsciente) de algum tipo de "perigo" em que a pessoa reprime a função de escrever para não lidar com algum conflito.

Freud (1926) considera a inibição como sendo "a expressão de uma restrição de uma função do Eu. O Eu seria a "instância psíquica que supervisiona todos os processos parciais que ocorrem na pessoa" (FREUD, 1923, p.31) e que a partir desse Eu os recalques procedem.

Para Freud (1926) existe relação entre a inibição e a angústia e considera que algumas inibições representam o abandono de uma função por esta prática causar mal-estar. Cogitamos, assim, que inibir uma escrita seria tentar inibir uma angústia que não se sabe da onde vem e qual o seu nome, justamente por se tratar da ordem do inconsciente, onde esse é parte da estrutura decisória de todo sujeito e que, através dele, podemos entender diversos fatores como a dificuldade no escrever.
A partir desse contexto é possível pensarmos na alfabetização. Porém, é preciso discutir as condições em que a escrita é oferecida à criança, pois as possibilidades devem ser criadas a partir da realidade social, histórica e subjetiva de cada um.
Cagliari (2006) afirma que se a escrita fosse apresentada às crianças de uma forma mais coerente com sua realidade, muito provavelmente teriam uma relação mais próxima com essa linguagem.

Quem sabe se admitíssemos olhar as pessoas em sua singularidade seria menos complicado perceber seus sofrimentos e escutar a possível causa de suas angústias.
Neste contexto, analisamos as dificuldades durante a alfabetização por uma perspectiva diferente da que temos visto tão frequentemente. Um aluno com tais impedimentos muitas vezes recebe diagnósticos de distúrbios e muito rapidamente tem a medicalização como principal via de intervenção. Nesta direção, o ser humano fica tomado apenas na sua dimensão biológica, esquecendo-se de seu psiquismo e de sua existência social e histórica.
Devemos olhar o ser humano como um sujeito portador de uma história que, engendrado nesta, ao escrever, discorre suas letras num papel, formando palavras que dão cor ao seu texto.
_______________________________
(1) FREUD, Sigmund. Inibições, Sintomas e Angústia. (1926). In: ______. Um estudo autobiográfico; Inibições, sintomas e angústia; A questão da análise leiga e outros trabalhos. (1926[1925]). v. 20. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
(2) O Eu e o Id. (1923). In: ______. Escritos sobre a psicologia do inconsciente. (1923-1940) v. 3. Rio de Janeiro: Imago, 2007.
(3) CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & Lingüística. São Paulo: Scipione, 2006.

 

Manoela de S. S. Piccirill
manoelapiccirilli@hotmail.com
Psicóloga Clínica, aprimoranda em Orientação a Queixa Escolar (USP), pesquisadora do projeto Metodologia IRDI - uma intervenção com educadores de creche a partir da psicanálise (USP), pesquisadora do projeto "A alfabetização e seus avatares" (PUC-SP).

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais