Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A escola e o bebê: é possível educar?

Em virtude das novas demandas de trabalho, da família e dos novos formatos da vida moderna, nossas crianças são expostas, cada vez mais cedo, ao cotidiano escolar. Kupfer afirma sobre a criança moderna: é uma criança indissoluvelmente ligada ao escolar(1). É daí que pensar o espaço escolar, nos dias de hoje, nos impõe um exercício de reconhecimento do seu lugar social e da sua função para a criança.

Vinda para dar conta de um dos ideais da democratização, a escola instituiu-se ao longo dos anos como a principal experiência coletiva na infância, cumprindo uma função constituinte para a criança que vai muito além da ação pedagógica.

Com o passar do tempo, é visível e significativo o aumento do número de horas passadas na escola (há crianças que chegam a ficar 12 horas de seu dia no contexto escolar) e a precocidade de sua inclusão neste sistema (em torno dos quatro meses de vida, coincidindo, em muitos casos, com o tempo de licença maternidade). Deste modo, a criança vive ali, junto com os outros bebês e os educadores, a oferta de ações de cunho da satisfação das necessidades diárias que levam a uma construção simbólica, o que institui e constitui o sujeito e seu saber.

Ao falarmos disto, torna-se necessário trazermos a concepção de que quando uma criança chega ao mundo ela é recebida por um adulto que lhe apresenta o social injetando sua existência por meio de cuidados com suas necessidades básicas de alimentação, higiene, ritmo de sono e vigília. Ao nascer, o bebê, em sua impotência originária é tomado pela mãe (ou quem cumpre esta função) na direção de outorgar-lhe um funcionamento. A mãe antecipa para a criança o funcionamento de seu corpo e com isso, oferece à criança um lugar no mundo. Ela investe na criança com sua linguagem. Fala com seu bebê na tentativa de armar uma correspondência(2) ao desencontro que há entre o bebê e o mundo. Desencontro este ao qual a criança está submetida o tempo todo. Ao introduzir o bebê em uma história, o adulto faz leituras deste ser que, a princípio, conta apenas com as funções e manifestações de um organismo; ele aposta sempre no que virá a ser e confia no desdobramento de uma diferença da condição primeira e elementar do bebê. Assim, temos um sujeito que, apesar de sua singularidade, depende do outro para que sua constituição aconteça.

Deste modo, torna-se necessário, visto o tempo precoce em que as crianças vão para a escola, a quantidade de horas que passam lá e, por conseqüência, o quanto estes cuidados com as necessidades básicas da criança são tarefas hoje também dos educadores, considerar o espaço escolar como um lugar constitutivo para a criança, com valor de referência e transmissão.

E é exatamente neste ponto que podemos identificar uma função educativa da e na escola. Em psicanálise, é a construção de um saber(3) proveniente das marcas de sua relação com o Outro(4) que podemos chamar de educação. Educar é transmitir marcas simbólicas que possibilitem ao pequeno sujeito usufruir de um lugar no campo da palavra e da linguagem(5).

É certo que não podemos dizer que dá na mesma ou os pais ou os educadores cumprirem esta função na criação. O exercício desta função implica uma condição desejante por parte do adulto (por isso, é mais possível que a mãe ocupe esta posição); implica o estabelecimento de um circuito pulsional entre o adulto e o bebê, no qual o bebê ocupa um lugar preciso na equação do desejo materno(6). Mas, é imprescindível considerarmos esta configuração a que estão submetidos a mãe e seu bebê e como os educadores de hoje são figuras extremamente importantes que compõe a constelação que cumpre a função materna e que é decisiva para o sujeito acontecer.
_______________________________
(1) Maria Cristina Kupfer. Educação para o futuro. Psicanálise e Educação. São Paulo. Ed. Escuta. 2007. 3a edição.
(2) Expressão utilizada por Julieta Jerusalinsky em grupo de estudos
(3) Aqui utilizo a palavra saber no contexto da psicanálise e sugiro a leitura do texto "A infância, a escola e os adultos" de Leandro de Lajonquière para um melhor entendimento.
(4) Outro grafado com maiúscula – refere-se a um termo da psicanálise Lacaniana e assinala a instância de funcionamento de linguagem, o registro do simbólico – a lei, o significante, o inconsciente, a linguagem;
(5) Leandro de Lajonquière. A infância, a escola e os adultos.
(6) Ver o desenvolvimento desta colocação em "A criação da criança: letra e gozo nos primórdios do psiquismo". Julieta Jerusalinsky.Tese de doutorado em psicologia clínica: PUC-SP, 2009.

Juliana Mori
Fonoaudióloga clínica, especialista em clínica com bebês, mestre em Fonoaudiologia, membro do CRIA – Centro de Referência da Infância e Adolescência do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP e responsável pela Coordenação de Grupos do projeto ALFAPUC.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais