Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

O SILÊNCIO E A CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA

A poluição sonora, segundo alguns estudiosos, causa stress e afeta a qualidade de vida. Porém, já imaginou o mundo em silêncio total? Será que o silêncio acalma ou incomoda? E querer dizer e não poder... Ou, se ver obrigado a silenciar certos sentidos... O silêncio, segundo Orlandi (1997), pode ser visto sob duas formas: uma que vai além da linguagem, pois o silêncio, por possuir um "caráter necessário e próprio" sem significado linear e objetivo, pode ser transformado em palavras. A outra é a movimentação de sentidos que o silêncio permite, pois ele fala, mesmo mudo, sendo tanto polissêmico como literal.

O silêncio enquanto discurso se funde com conceitos que o integram: - a polissemia, entendida aqui como a transitoriedade dos sentidos; - a singularidade posta no discurso, onde o mesmo objeto toma um novo significado quando muda o interlocutor; - e a paráfrase, movimento retrógrado ao enunciado, ou seja, é o momento em que o sujeito repensa sobre seu discurso, sobre aquilo que já foi dito, nos dando a possibilidade de inserir novos enunciados, seja para reparar algo que foi falado de forma equivocada, bem como para esclarecer o outro sobre o que foi dito.

"A linguagem empurra o que ela não é para o "nada". Mas o silêncio significa esse "nada" se multiplicando em sentidos: quanto mais falta, mais silêncio se instala, mais possibilidade de sentidos se apresenta." (ORLANDI, 1997, p. 49).

O silêncio é algo que vai além do limite da consciência, e que está, por si só, carregado de sentidos, pois revela algo da ordem do indizível.
Campista afirma que o:
"[...] lugar do mistério da palavra que não se fez disfarce e que, por total falta de tradução, permaneceu ausente, aberta a infinitos sentidos" (CAMPISTA, 2007, p. 12).

Situemos estas considerações no campo das patologias de linguagem: O que leva um sujeito a não falar? Argumentos das ciências da saúde trazem o olhar orgânico afirmando que o sujeito sem oralidade é portador de uma lesão cerebral na área responsável pela fala e, por isso, o silêncio é sinal de incapacidade. A psicanálise, entretanto, justifica a ausência de fala a partir do próprio sujeito.

O silêncio tem sido objeto de interesse da Fonoaudiologia, que tem lançado diferentes olhares e interpretações sobre ele. Nesta perspectiva, distancia-se de preceitos empíricos-positivistas, característicos de algumas vertentes da Fonoaudiologia, em que há uma redução da não oralidade a uma questão simplesmente orgânica e aproxima suas bases teóricas no sócio-interacionismo de De Lemos (1989), em que a linguagem galga caminhos mais particulares por ser algo da ordem exclusiva do humano, perpassada pela atividade psíquica. Nessa perspectiva, a ausência de oralidade não tira o sujeito da cena lingüística, desde que ele encontre interlocutores que o olhem e o escutem em um discurso que não é posto da forma habitual, nem por isso menos importante do ponto de vista terapêutico. É necessário que o fonoaudiólogo esteja atento e alce uma escuta diferenciada para seus pacientes, sem ignorar sinais de comunicação, ao contrário, dando significado a cada gesto do sujeito em sua interlocução.

A escuta clínica tem papel fundamental para o terapeuta que trabalha com a perspectiva de uma linguagem enquanto constituinte do sujeito e, portanto, subjetiva. A partir daí pode-se afirmar que o silêncio pode revelar não só questões comunicativas, mas também sintomas de um funcionamento psíquico embaraçado. Se a base para a construção da subjetividade se dá pela e na linguagem, é preciso entender o que está silenciando esse sujeito, para intervir dentro da nossa especificidade: o sintoma linguístico, buscando por meio de uma dialogia dialética, uma constante rotação, em que a linguagem e o sujeito estão intrinsecamente imbricados nessa subjetivação.

Kivia Santos Nunes

P.S.: Esse texto é um trecho adaptado do trabalho de conclusão de curso em Fonoaudiologia da Universidade Federal de Sergipe, chamado "O silencio seus sons e ecos: uma análise na clínica da linguagem" da minha autoria, sob orientação da Profª Rosana Carla do Nascimento Givigi.

Referências Bibliográficas
CAMPISTA, V.R.; TATAGIBA, V.M.O. O silêncio: multiplicidade de sentidos. SINAIS Revista Eletrônica. v. 02, p. 107-120, 2007
ORLANDI, E.P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4 ed. São Paulo: UNICAMP, 1997. 184p.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais