Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos

A Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA) é definida pela American Speech and Hearing Association (ASHA) como: "... uma área de prática clínica, de pesquisa e educacional que visa compensar e facilitar, temporária ou permanentemente, padrões de prejuízo e inabilidade de indivíduos com severas desordens expressivas e/ou desordens na compreensão de linguagem. A CSA pode ser necessária para indivíduos que demonstrem prejuízos nos modos de comunicação gestual, oral e/ou escrita(1)".

As pranchas de CSA consistem em superfícies - papel, tábua, pasta ou a tela do computador – onde se dispõem imagens visuais - símbolos gráficos, desenhos, fotos, sentenças, letras do alfabeto – e podem ser indicadas como uma forma alternativa de fala para sujeitos impossibilitados organicamente de falar de forma articulada(2) ou cuja fala apresenta-se com dificuldades.

Há um equívoco em se confundir a impossibilidade de falar de forma oral articulada com não ser falante e estar na linguagem(3). Assumir o ponto de vista de uma clínica fonoaudiológica que se sustenta em um método clínico dialógico, implica que a CSA não se reduza a uma atividade de aprender símbolos e ensinar a falar(2). Pelo contrário, Castellano(4) aponta a clínica fonoaudiológica como espaço para escuta do corpo (falante) de sujeitos com paralisia cerebral (PC), onde gestos, imagens visuais e símbolos gráficos são ressignificados como forma alternativa de fala. Nesta clínica, o sujeito com PC e o fonoaudiólogo, em sua interlocução, escolhem os símbolos gráficos que irão compor a prancha de CSA.
Estes símbolos advém de relatos de acontecimentos que envolvem o sujeito e que foram anotados em um diário, por um familiar. Solicita-se que alguém da família registre acontecimentos representativos para o sujeito com PC, acompanhados de figuras de revistas, imagens obtidas na internet, fotos, desenhos que configurem os fatos principais. Esta associação entre escrita e imagens, atravessada pelo discurso, introduz o sujeito na CSA, transformando os símbolos em significantes, ao deslocá-los e realocá-los na prancha. As páginas do diário também podem conter a escrita dos acontecimentos que ocorreram durante a sessão fonoaudiológica; nesse caso, a escrita pode vir acompanhada de símbolos gráficos (PCS, BLISS, etc).

Ao ser lido em voz alta, o diário desencadeia no sujeito com PC, traços de reconhecimento da história singular, que podem ser apreendidos pelo sorriso, pelo riso, na sucessão sonora, na mudança de tônus corporal, nos gestos. Essas marcas de reconhecimento são indicadores dos símbolos que deverão deslocar-se do diário para a prancha de CSA do sujeito. Desta forma, o diário não é um suporte prévio mas concomitante à montagem da prancha, por ser estabelecido na alternatividade da dialogização entre prancha e diário. Cabe ressaltar que a prancha está em constante mutação, pois símbolos são adicionados e/ou retirados de acordo com os textos que permeiam o dia a dia do sujeito.
A montagem da prancha a partir da dialogização que o diário elicia, não tem por objetivo oferecer padrões ou ditar normas. Não há apenas uma maneira de elaborar o diário e a prancha; para cada sujeito e para cada finalidade, o diário e a prancha podem tomar diferentes configurações.

Por fim, pode-se afirmar que a montagem da prancha de CSA a partir do diálogo instaurado pelos escritos do diário, abre espaço para: 1) a eleição de símbolos e sua transposição em significantes; 2) a interpretação de suas demandas; 3) a arquitetura da relação dialógica; 4) a inserção do sujeito no funcionamento da linguagem; 5) a montagem da prancha subjetiva de CSA e 6) o laço social entre familiares e amigos.
Como conclusão, argumenta-se a favor de seu estatuto como suporte clínico fonoaudiológico, dado os efeitos que sua leitura gera na cena clínica.


Giuliana Bonucci Castellano


Referências bibliográficas

1. American Speech Language and Hearing Association (ASHA). Report: Augmentative and Alternative Communication,1991, 33:9-12.
2. Chun RYS. Comunicação suplementar e/ou alternativa: favorecimento da linguagem de um sujeito não falante. Pró–Fono Rev. Atual. Cient. 2003,15(1):54-64.
3. Feital MCS. A Comunicação Suplementar e/ou Alternativa na vida de pessoas com paralisia cerebral, adultas e institucionalizadas. São Paulo, 2006, p. 28, (Dissertação de Mestrado – Programa de Estudos Pós Graduados em Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).
4. Castellano GB. Adolescentes com Paralisia Cerebral: Estudo de Casos Clínicos. 2010, (Dissertação de Mestrado – Programa de Estudos Pós Graduados em Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais