Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador

Historicamente, na Fonoaudiologia, a relação entre o trabalho e a formação de sintomas vocais entre os trabalhadores está pautada, prioritariamente, nos paradigmas da Medicina do Trabalho e da Saúde Ocupacional. Assim, o foco de atenção do fonoaudiólogo volta-se, com exclusividade, para a produção da voz (seja por seu uso excessivo e/ou inadequado) e para o mapeamento de riscos presentes no ambiente laboral (propondo-se a redução ou eliminação isolada destes).

Contudo, o que parece escapar a este modelo diz respeito à complexidade da organização do processo de trabalho. A este propósito, estudos realizados no campo da Fonoaudiologia (FERREIRA et al., 2003; FERREIRA e BENEDETTI, 2007; PENTEADO e PEREIRA, 2007; SERVILHA e PEREIRA, 2008; GIANNINI, 2010) reconhecem que o adoecimento vocal, entre os trabalhadores, mostra-se, inclusive, relacionado às adversidades presentes na organização do trabalho. Encontra-se um exemplo particularmente eloquente, de tal vinculação, na pesquisa de CIPRIANO (2010), realizada junto a um grupo de agentes comunitários de saúde, na qual foi confirmada associação significativa entre a formação de sintomas vocais (sendo os mais citados: garganta seca, cansaço ao falar e ardor na garganta) e aspectos relacionados à organização do trabalho.

Neste contexto de reflexão crítica, torna-se desejável oferecer à Fonoaudiologia uma segunda possibilidade de conceber e intervir no processo de adoecimento vocal dos trabalhadores; uma perspectiva teórico-metodológica, que contemple aspectos mais amplos da organização do processo de trabalho. Assim, nos é dito que:

A abordagem da Saúde Coletiva e da Medicina Social Latino-Americana permitiu ampliar a compreensão teórica e prática, em vários níveis de complexidade, das relações entre o trabalho e a saúde com a incorporação do conceito nucleador “processo de trabalho”, extraído da economia política, na sua acepção marxista. Esse conceito passou a ser o marco definidor do que denominamos Campo de Estudos da Saúde do Trabalhador (LAURELL e NORIEGA, 1989; LACAZ, 1996; MINAYO-GOMEZ e THEDIM-COSTA, 1997) e, quando o adotamos em toda a sua extensão teórica, obtemos um alto poder explicativo da gênese dos agravos à saúde em segmentos específicos de trabalhadores. A análise dos processos de trabalho é uma ação teórico-prática potente, pois permite identificar as transformações necessárias a serem introduzidas nos locais e ambientes para a melhoria das condições de trabalho e saúde. No entanto, o seu uso sempre requer um tratamento interdisciplinar que dê conta de contextualizar e interpretar a interseção entre as relações sociais e técnicas que ocorrem na produção, assim como, de considerar a subjetividade dos vários atores sociais nelas envolvidos. (MINAYO-GOMEZ e LACAZ, 2005, p. 799) [grifo nosso]

Nesta perspectiva, o foco de atenção do fonoaudiólogo volta-se, inclusive, para a forma como é organizado o processo de trabalho; o adoecimento vocal, entre os trabalhadores, passa a ser apreendido na relação entre os diferentes aspectos que predispõem a formação de sintomas vocais (CIPRIANO, 2010). Deste modo, com base no conceito “processo de trabalho” (MINAYO-GOMEZ e THEDIM-COSTA, 1997), situações adversas, que se apresentem no domínio das relações e da gestão – hierarquias; estruturas de comando; condição de interação entre chefias e pares; ritmo; jornadas; pausas; sobrecarga; violência, entre outras (CEREST-SP, 2006; SANTOS-FILHO SB, 2007), são reconhecidas, pelo fonoaudiólogo, na medida em que suas repercussões, coexistindo (ou não) com aspectos de natureza individual e biológica, somadas a condições adversas do ambiente, contribuem para o adoecimento vocal dos trabalhadores.

Não é, evidentemente, o propósito deste texto vasculhar tal questão, na ânsia de descobrir todos os seus elementos. Em síntese, o que se pretende é, tão-somente, oferecer à Fonoaudiologia uma aproximação com a Saúde do Trabalhador, campo que possibilita um olhar ampliado para os modos de organização do processo de trabalho, e suas possíveis repercussões no bem-estar vocal dos trabalhadores.


Fabiana Gonçalves Cipriano


Referências bibliográficas

CEREST-SP – Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Estado de São Paulo. Distúrbios de voz relacionados ao trabalho [boletim epidemiológico paulista nº 26]. São Paulo; 2006. [acesso em: 15 de março de 2010] Disponível em: <http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa26.html>.

Ferreira LP, Karmann DF, Silva EEH, Figueira S, Giannini SPP, Souza TMT. Condições de produção vocal de professores da prefeitura do município de São Paulo. Distúrb Comun. 2003; 14(2): 275-308.

Ferreira LP, Benedetti PH. Condições de produção vocal de professores de deficientes auditivos. Rev CEFAC. 2007; 9(1): 79-89.

Penteado RZ, Pereira IMTB. Qualidade de vida e saúde vocal de professores. Rev Saúde Pública. 2007; 41(2): 236-43.

Servilha EAM, Pereira PM. Condições de trabalho, saúde e voz em professores universitários. Rev. Ciênc. Méd. 2008; 17(1): 21-31.

Giannini SPP. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho docente: um estudo caso-controle [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2010.

Cipriano FG. Relação entre distúrbio de voz e trabalho em um grupo de Agentes Comunitários de Saúde do município de São Paulo. [dissertação de mestrado]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2010.

Minayo-Gomes C, Thedim-Costa SM da F. A construção do campo da saúde do trabalhador: percurso e dilema. Cad. Saúde Pública. 1997; 13(2): 21-32.

Minayo-Gomez C, Lacaz FA de C. Saúde do trabalhador: novas-velhas questões. Ciência e Saúde Coletiva. 2005; 10(4): 797-807.

Santos-Filho SB. Um olhar sobre o trabalho em saúde nos marcos teórico-políticos da saúde do trabalhador e do humanizaSUS: o contexto do trabalho no cotidiano dos serviços de saúde. In: Santos-Filho SB, Barros MEB de, organizadores. Trabalhador da saúde: muito prazer! Protagonismo dos Trabalhadores na Gestão do Trabalho em Saúde. São Paulo: Ijuí; 2007. p. 73-96.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais