Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante

Na clínica fonoaudiológica, o compromisso que funda a interação fonoaudiólogo-sujeito, está em reconhecê-lo como falante. Tal reconhecimento torna-se possível de diversos modos, mas parece que o ato de permissividade para o uso da fala, independentemente do modo de uso da língua ou do tipo de sintoma de linguagem, é o que permitiria ao fonoaudiólogo reconhecer o sujeito como falante. Cabe esclarecer que a noção de reconhecimento do falante, encontra suas bases no interior de uma estrutura - dos sintomas de linguagem - formada por “múltiplos estratos e interestratos sucessivos e superpostos divididos em três eixos verticais (língua, fala e escrita) e três eixos horizontais (sujeito, sanção do outro, metáfora e metonímia) que operam por contradição, oposição e diferença”. (Gouvêa, 2007).

A noção de estrutura implica que as operações que ocorrem por contradição no interior dos estratos e interestratos se dão a partir do paradoxo temporal da diacronia (que se vale por combinações sucessivas dos elementos lingüísticos) e da sincronia (que se constitui por elementos lingüísticos sucessivos que se substituem). A operação por diferença é determinada pela teoria de valor, a qual pressupõe que um termo só adquire seu valor, porque se opõem aos termos que o antecedem ou àqueles que o sucedem. (Saussure, 1916). Enquanto que, a operação por oposição decorre “da escolha entre dois termos de uma oposição que apresenta uma propriedade específica diferencial em divergência com as propriedades de todas as demais oposições” (Jakobson, 1954).
Vale ressaltar que esses estratos não são hierárquicos, mas simultâneos, visto que o aparecimento dos sintomas de linguagem pode ocorrer ou no estrato da escrita, ou no da língua ou no estrato da fala. O estrato da escrita é marcado pelo traço – “lógica de inscrição do significante no corpo”, e caracterizado pela alienação à fala do outro; o estrato da língua existe a primazia do código lingüístico num movimento de separação entre a fala do sujeito e a fala do outro, enquanto que o estrato da fala é marcado pelo jogo do diálogo que é estabelecido entre quem fala e quem escuta (Gouvêa, Freire e Dunker, 2009).
Nesse sentido, aposta-se na dimensão clínica e estrutural dos sintomas da linguagem para dar ao sujeito o estatuto de falante sem confinar seu funcionamento de linguagem a um rótulo patologizante submetido à ordem biopsicosocial ou explicar seu funcionamento na linguagem através da relação direta com um corpo orgânico formado por um par de orelhas, um cérebro ou uma boca. O corpo que entra em questão na clínica da subjetividade faz relação com uma estrutura de linguagem e de fala e, portanto, não caberiam referências à cura da fala do paciente a partir de exercícios motores com a finalidade de corrigi-la, adequá-la, habilitá-la ou reabilitá-la.
A práxis fonoaudiológica alicerçada pelos pilares estruturais e subjetivos se faz a partir da lógica dialogal entre aquele que fala e aquele que escuta. Desta forma, dá-se reconhecimento ao corpo falante o qual é atravessado e submetido às leis da língua abrindo espaço para as mudanças subjetivas que acontecem na clínica fonoaudiológica.

Maria Rosirene Lima Pereira

Referências Bibliográficas:

ARAÚJO, M. L. B. Atendimento em grupo na Fonoaudiologia: Feitos e (d)efeitos. Dissertação (Mestrado) – PEPG em Fonoaudiologia, PUCSP. São Paulo, 2010.
BORTOLOTTO, H. Linguagem e Subjetividade: estudo de caso de uma criança com Síndrome de X Frágil. Dissertação (Mestrado) – PEPG em Fonoaudiologia, PUCSP. São Paulo. São Paulo, 2008.
CASTELLANO, G. B. Adolescentes com Paralisia Cerebral: Estudo de Casos Clínicos. Dissertação (Mestrado) – PEPG em Fonoaudiologia, PUCSP. São Paulo, 2010.
FREIRE, R.M. Sobre o objeto da fonoaudiologia. Texto apresentado no II seminário introdutório promovido pela Faculdade de Fonoaudiologia da PUC-SP, 1996.
.___________ A fundação da clínica fonoaudiológica. Trabalho inédito apresentado no 9o. Congresso de Fonoaudiologia de Guarapari, 2002.
GOUVÊA, G. ; FREIRE, R. M ; DUNKER, C. Sanção em Fonoaudiologia, um modelo para organização dos sintomas de linguagem. 2009, (no prelo).
JAKOBSON, R. Dois Aspectos da Linguagem e Dois Tipos de Afasia. Lingüística e Comunicação. São Paulo: Cultrix. (1954-1975).
SAUSSURE, F. Curso de Lingüística Geral. C. Bally e A. Sechehaye (orgs.). São Paulo: Cultrix. (1916-2006).
SILVA, G. G. Por uma multiestratificação estrutural dos sintomas de linguagem. Dissertação (Mestrado) – PEPG em Fonoaudiologia – PUCSP, São Paulo, 2007.

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais