Linguagem e Subjetividade
Página Inicial
Linguagem e Subjetividade
Linguagem e Subjetividade
Banco de Dados de Fala e Escrita
Banco de Dados de Fala e Escrita
Cadastro para acesso ao banco de dados
Alfabetização e Seus Avatares
Laboratório de Observação de Linguagem
Parcerias
Eventos
Coluna “Fonoaudiologia em Questão”
biblioteca_novo
Links
Contato


   

Página inicial >Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

Coluna "Fonoaudiologia em Questão"

A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala

Na prática clínica fonoaudiológica, é comum que pacientes procurem o atendimento para “resolver os problemas” de leitura e escrita, fala, motricidade oral, voz. Em contato inicial, fazem referência à necessidade de “aprender alguns exercícios”, “como fazer para se corrigir?” ou ainda “curar-se do problema”. Subjacente a esses dizeres, há o endereçamento ao fonoaudiólogo da responsabilidade por livrar-lhes do incômodo provocado pelo sintoma; afinal, trata-se do profissional elegido legal e oficialmente para lidar com os sintomas de linguagem e às questões a eles atreladas.
Verifica-se que o dizer do paciente revela o seu modo de conceber o trabalho fonoaudiológico. O uso dos termos “aprender”, “exercícios”, “corrigir”, “curar” se articulam a uma concepção corretiva de clínica, tão difundida no meio fonoaudiológico e nas veiculações sobre a profissão. Note-se que o paciente acredita que somente obterá a “cura” por meio de: a) uma exercitação ortopédica da musculatura envolvida na fala; b) um trabalho discriminatório, perceptual que favoreça a fala, bem como a adequação da leitura e escrita; c) técnicas para sanar alterações vocais. Trata-se de vias possíveis de conduzir uma clínica, mas não definidas hegemonicamente como “o modo” de atuação do fonoaudiólogo.
O fato de a clínica fonoaudiológica se orientar comumente por uma perspectiva médica e/ou pedagógica permite que a condução de um caso guie-se em direção à obtenção da cura, da remoção do sintoma e, para tanto, o paciente precisa colaborar e treinar para aprender outros modos de falar/escrever/coordenar os movimentos musculares e vocais.
Partindo de uma perspectiva oposta, outros campos de aproximação e de diálogo teórico são convocados por elegerem o sujeito em sofrimento como cerne do trabalho clínico. O corpo, em especial cérebro/boca/orelha, é lugar importante, mas não essencial ao fonoaudiólogo. A ele interessa como o sujeito significa o seu sintoma nesse corpo. Eleger o sujeito – em relevância ao organismo – adveio de uma leitura outra, atravessada, de um lado, pela Psicanálise lacaniana e, de outro, pelo modo como a Linguística, representada por Saussure e Jakobson, pôde orientar os estudos dos campos de Aquisição e Patologias de Linguagem. Tais leituras produziram frutos no interior do campo fonoaudiológico, em especial o salto teórico do organismo para o sujeito, bem como a eleição do método linguístico-discursivo como propulsor da clínica – marcada pela singularidade, pelo “cada caso tem nome próprio”.
Efeitos dessas aproximações são notados ao longo dos atendimentos quando pacientes referem: a) “aqui você me escuta, eu posso falar. No outro fonoaudiólogo eu só seguia as orientações coladas no meu caderno de terapia e, na minha casa, eu treinava os exercícios 3 vezes ao dia” b) “nesse tempo todo eu vi que você me escutou. Cansei de ir em médico e eu falo, falo e eles não ouvem. Aqui eu falei até demais e acho que aí descobri que não preciso ter medo de falar. Então ficou tudo bem e eu acho que vou continuar assim, sem gaguejar”; c) “eu descobri que se fico bem e não me irrito, a minha voz não some”; d) uma criança que iniciou o tratamento por dificuldades de escrita e recusava-se a escrever produz em uma sessão: “no fim de semana eu fui na Saraiva e comprei o Harry Potter. Eu li bastante e fiz anotações importantes, olha aqui[...]”.
O trabalho clínico cuja primazia é a escuta para o singular de um sujeito permite que as mudanças não sejam apenas na estrutura muscular, na articulação ou na discriminação auditiva; põem em relação que as mudanças linguísticas implicam a relação com o outro e envolvem, sobretudo, mudanças subjetivas.

Cláudia Fernanda Pollonio

 


Autor Data Título
Silze Costa 04-2017 A intervenção psicanalitica na clínica com bebês
Keila Balbino 10-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 09-2016 A interlocução saúde e educação e a inclusão de estudantes com deficiência no ensino regular
Keila Balbino 07-2016 Como o filme “Quando tudo começa” colabora com a reflexão sobre a gestão escolar na escola pública
Janaina Venezian 04-2016 Deve-se trabalhar com leitura e escrita na educação infantil?
Amanda Monteiro Magrini 03-2016 A inclusão dos AASI na rotina dos professores na educação especial
Bruna de Souza Diógenes 12-2015 Programa de Estudos Pós-graduados em Fonoaudiologia da PUC-SP: análise da produção de quatro décadas
Profa. Dra. Regina Maria Ayres de Camargo Freire 11-2015 Algumas considerações sobre a Fonoaudiologia
Ivana Corrêa Tavares Oliveira 10-2015 O projeto Jogos da Cultura Popular como ferramenta de Inclusão
Keila Balbino 09-2015 O papel do professor no momento da alfabetização
Ezequiel Chassungo Lupassa 08-2015 O Marco Histórico da Alfabetização no Brasil
Adriana Gaião Martins 07-2015 O lúdico e a aprendizagem: Um recorte teórico
Janaina Venezian 06-2015 Educação impossível
Gisele Gouvêa da Silva 05-2015 O retorno à Demóstenes
Sofia Nery Liber 04-2015 O Filme "A Família Bélier" e a Psicanálise
Ivana Corrêa Tavares Oliveira, Sofia Lieber, Keila Balbino, Regina Freire 03-2015 “Contribuições da legislação para mudanças políticas na educação inclusiva no atual cenário educacional brasileiro”
Bruna de Souza Diógenes 01-2015 O Trabalho Grupal: Vislumbrando novos olhares/fazeres no processo de alfabetização
Michele Picanço do Carmo 12-2014 Leitura e movimentos oculares
Sofia Nery Lieber 11-2014 Linguagem e subjetivação: sobre a natureza dessa relação
Bruna de Souza Diógenes 10-2014 Indicadores de Risco para os sintomas de linguagem: Interface Fonoaudiologia e Saúde Pública
Dayane Lotti e Adriana Gaião 09-2014 A leitura: cotidiana e motivacional
Ezequiel Lupassa 08-2014 Manifestações dos Distúrbios de Linguagem e da Aprendizagem
Regina Freire 07-2014 1ª Jornada Fonoaudiologia, Educação e Psicanálise
Juliana Mori 06-2014 Uma experiência na inclusão escolar de pessoas com autismo
Silvana Soares 05-2014 Mudanças na formação do professor: efeitos sobre a educação infantil e as séries iniciais
Manoela Piccirilli 04-2014 Uma reflexão sobre queixas escolares
Janaina Venezian 03-2014 Educação Infantil e Fonoaudiologia
Sofia Nery  Lieber 12-2013 A voz não se confunde com o som

Dayane Lotti, Isabela Leito Concílio

10-2013 Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (SAPE): reflexões acerca da Sala de Recursos a partir de uma experiência em uma escola da rede pública da zona norte do Estado de São Paulo
Cinthia Ferreira Gonçalves 09-2013 A posição do aprendiz no discurso dos professores.
Keila Balbino 08-2013 Aluno: sujeito com conhecimentos que devem ser considerados no processo de alfabetização.
Vera Ralin 05-2013 Aparatos tecnológicos em questão
Ivana Tavares 04-2013 A escrita como sistema de representação.
Gisele Gouveia 03-2013 Semiologia Fonoaudiológica: os efeitos da sanção sobre o falante, a língua e ao outro
Dayane Lotti; Isabela Leite Concílio 11-2012 Queixa escolar e seus fenômenos multideterminados
Alcilene F. F. Botelho, Eliana Campos, Enéias Ferreira, Maria Elisabete de Lima 10-2012 Alfabetização e letramento
Wladimir Alberti Pascoal de Lima Damasceno 08-2012 A Clínica da Gagueira
Cinthia Ferreira Gonçalves 06-2012 A Análise de Discurso e a Fonoaudiologia: possibilidades de um diálogo
Manoela de S. S. Piccirill 04-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Regina Maria Ayres de Camargo Freire 03-2012 Uma segunda língua, para quem?
Manoela de S. S. Piccirilli 01-2012 A Inibição na Produção da Escrita
Juliana Mori 12-2011 A escola e o bebê: é possível educar?
Gisele Gouvêa 11-2011 A questão da estrutura clínica em Fonoaudiologia
Christiana Martin 10-2011 Inclusão Escolar
Treyce R. C. V De Lucca 09-2011 Retardo de Linguagem: Questões Norteadoras
Kivia Santos Nunes 08-2011 O Silência e a Clínica Fonoaudiológica
Vera Lúcia de Oliveira Ralin 06-2011 Atuação fonoaudiológica na Educação - Um fazer possível
Cláudia Fernanda Pollonio 04-2011 Linguagem e Subjetividade: Sobre a natureza desta relação
Juliana Cristina Alves de Andrade 03-2011 O Sujeito e a Linguagem
Regina Maria Freire 12-2010 A Alfabetização e seus Avatares – CAPES/INEP
Giuliana Bonucci Castellano 11-2010 Prancha de Comunicação Suplementar e/ou Alternativa: o uso do diário como possibilidade de escolha dos símbolos gráficos
Beatriz Pires Reis 10-2010 Demanda para perturbações de Leitura e Escrita, há um aumento real?
Fabiana Gonçalves Cipriano 08-2010 Sintomas vocais em trabalhadores sob o paradigma da Saúde do Trabalhador
Vera Lúcia de Oliveira Ralin. 06-2010 Atuação Fonoaudiológica na Educação – Um fazer possível
Maria Rosirene Lima Pereira 04-2010 A clínica fonoaudiológica e o reconhecimento do falante
Hedilamar Bortolotto 03-2010 Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: a clínica fonoaudiológica em questão
Fábia Regina Evangelista 01-2010 Indicadores Clínicos de Risco Para a Fonoaudiologia
Gisele Gouvêa 09-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"
Cláudia Fernanda Pollonio 08-2009 A clínica fonoaudiológica: sua relação de escuta à fala
Apresentação da Coluna 06-2009 Coluna "Fonoaudiologia em Questão"


 
 
 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Desenvolvido por DTI- Núcleo de Mídias Digitais